Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Farmácias registraram alta de 2.000% na procura por testes de dengue

O aumento foi registrado em janeiro deste ano em comparação com o mesmo período de 2023, nas drogarias Pacheco e São Paulo

O Brasil enfrenta um aumento expressivo nos casos de dengue, o que tem impulsionado a demanda pelos testes capazes de identificar a doença nas farmácias de todo o país. As unidades da Pacheco e São Paulo, do Grupo DPSP, registraram um aumento de 2.000% na procura pelos testes em janeiro deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado.

“Devido ao aumento significativo nos casos de dengue no Brasil, o Grupo DPSP registrou crescimento de mais de 2000% de testes de dengue realizados no país em janeiro de 2024, quando comparado com o mesmo período em 2023. Ainda, houve aumento de mais de 170% de testes realizados, se comparado com dezembro de 2023”, afirma Kefren Junior, gerente executivo de negócios do Grupo DPSP.

Leia também

As farmácias Droga Raia e Drogasil, do Grupo RD, também tiveram um crescimento na busca pelos testes para detecção da doença. Entre novembro do ano passado e o início de fevereiro de 2024, foi registrado um aumento de 700% na procura pelo produto.

A Droga Raia e Drogasil realizam o teste antígeno NS1, que é coletado com uma gota de sangue do paciente. O resultado fica pronto em aproximadamente 15 minutos.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o país registrou um aumento significativo nos casos de dengue nos primeiros meses de 2024. O avanço da doença fez com que a equipe da pasta de Nísia Trindade iniciasse a vacinação contra a doença em municípios selecionados.

O Painel de Monitoramento das Arboviroses, com informes diários sobre dengue, zika e chikungunya, mostra que o Brasil registrou 688.461 casos prováveis de dengue até o final de terça-feira (20/2). O país notificou também 122 vidas perdidas, e outras 456mortes estão sob investigação.

De acordo com a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), o número de exames de dengue realizados na rede privada teve um aumento de 21% em uma semana. A comparação é entre a semana de 14 a 20 de janeiro e a semana de 21 a 27 de janeiro de 2024.

Ainda segundo a associação, o número de exames realizados para detecção da doença tem subido desde dezembro de 2023.

Testes contra a dengue no Brasil

O Brasil possui três tipos de testes para detectar a dengue. São eles: NS1, sorologia e RT-PCR. A escolha para cada um irá depender dos sintomas apresentados pelo paciente no momento da coleta.

O pesquisador José Henrique Maia Campos de Oliveira, professor do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que atua em estudos com Aedes aegypt, explica que o teste rápido, aquele realizado em farmácias, tem eficácia para detecção da dengue, mas os exames laboratoriais possuem uma maior exatidão.

“Testes rápidos podem ser seguros e bons. Testes laboratoriais podem ser mais precisos, mas às vezes podem ser mais caros e demorados”, afirma José Henrique de Oliveira.

O pesquisador da UFSC complementa que o teste PCR é utilizado para identificar se há o vírus no corpo do paciente. Enquanto, o anticorpo busca uma molécula que indica que o organismo reagiu ao vírus que esteve no corpo em algum momento.

“Sorologia é o estudo de qualquer coisa que esteja no soro/plasma, que é a parte líquida do sangue. Porém, em diagnóstico de doenças infecciosas, a sorologia se refere mais à procura de alguma molécula que possa permitir o diagnóstico”, destaca José Henrique de Oliveira.

A médica Debora Fontenelle do Hospital Universitário Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro, reforça que o teste NS1 pode apresentar o falso negativo, no entanto, ele continua auxiliando na rápida detecção da dengue.

“O NS1 é aquele que faz no início da infecção porque é rápido. Ele dá um falso negativo. É um teste de triagem, mas ajuda”, frisa a médica.

A profissional do Hospital Universitário Pedro Ernesto coloca o RT-PCR como o teste mais eficiente para detecção da dengue.

“Ele é um exame padrão ouro para o teste de dengue até o quinto dia de doença. Após o quinto dia você já tem que ir em busca dos anticorpos, da classe IgM. A classe IgG aparece depois, então não serve para o diagnóstico no momento em que você está com a doença”, esclarece Debora Fontenelle.

O IgM positivo significa que o indivíduo possui anticorpos para a dengue, o que indica que ela foi exposta e está na fase ativa da doença com a possibilidade do vírus estar circulando no corpo do paciente.

Por outro lado, o IgG positivo pode indicar que o paciente está na fase crônica ou convalescente, quando já teve contato com a doença em algum momento.

Os primeiros sintomas da dengue são febre alta, que dura em torno de dois a sete dias, acompanhada por dores de cabeça, no corpo e nas articulações. Além disso, é comum pacientes apresentarem fraqueza, dor atrás dos olhos e manchas vermelhas na pele.

O Ministério da Saúde alerta que em caso de suspeita de dengue é importante aumentar a hidratação e evitar a automedicação. A pasta orienta a procura de assistência em uma unidade de saúde.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas