Corte em auxílios agravou pobreza durante a pandemia, diz estudo

Relatório aponta que a redução de auxílios, em 2021, foi o principal fator para o aumento das taxas de pobreza e desigualdade no país

Durante o segundo ano da pandemia de Covid-19, 2021, o Brasil atingiu um recorde histórico de pessoas vivendo em situação de pobreza. A realidade, no entanto, poderia ter sido diferente caso o governo federal não tivesse reduzido a acesso a benefícios sociais, aponta um estudo divulgado nesta quinta-feira (30/11).

A pesquisa mostra que no primeiro ano da emergência de saúde (2019 e 2020), houve uma piora na concentração de renda proveniente do trabalho, o que contribuiu para o aumento das desigualdades. No entanto, a implementação do Auxílio Emergencial ajudou a segurar a taxa, melhorando a distribuição de renda e contendo o aumento da pobreza.

Já em 2021, houve um movimento contrário. O governo interrompeu o pagamento do auxílio durante três meses e, depois, o programa foi retomado com valores e cobertura menores comparado ao ano anterior. De acordo com o estudo, esse foi o principal fator para o aumento recorde das desigualdades e pobreza no país naquele ano.

Leia a matéria completa em Metrópoles.com.

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p