Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Conselho do MP nega recurso de Flávio Bolsonaro contra inquérito eleitoral

Inquérito apura se senador cometeu falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro na declaração de bens em 2014.

O Conselho Institucional do Ministério Público Federal rejeitou nesta quarta-feira (11), por unanimidade, um recurso apresentado pela defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Os advogados recorreram da decisão do próprio Ministério Público, que manteve o inquérito eleitoral sobre suposta falsidade ideológica por parte de Flavio em 2014.

Leia também

Com a decisão desta quarta-feira, a investigação terá prosseguimento, e um novo promotor será indicado para o caso.

Procurada, a assessoria de Flavio Bolsonaro enviou a seguinte nota: "A defesa do Senador Flávio Bolsonaro esclarece que a decisão do Conselho Institucional do MPF apenas confirmou que os autos serão remetidos a outro Promotor Eleitoral para que ele decida sobre o destino do inquérito".

Flávio Bolsonaro é investigado por suposta falsidade ideológica eleitoral por ter omitido bens e ter apresentado valores diferentes sobre um mesmo imóvel em declarações entregues à Justiça Eleitoral em 2014 e em 2016.

Entenda o caso

O Ministério Público Eleitoral pediu a abertura do inquérito, mas, no fim de maio, o promotor do caso, Alexandre Themístocles, requisitou o arquivamento.

O juiz responsável pelo inquérito, Flávio Itabaiana, no entanto, discordou do pedido do MP, e o caso foi para análise da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, em Brasília.

Em agosto, a 2ª Câmara decidiu que as investigações na Justiça Eleitoral deveriam continuar. No entendimento dos procuradores, faltaram diligências a serem feitas para verificar se houve omissão eventual de outros bens do senador.

A 2ª Câmara decidiu também que o procurador regional eleitoral no Rio de Janeiro deveria indicar um novo promotor para o inquérito em razão de o anterior já ter se posicionado pelo arquivamento.

A defesa de Flávio, então, recorreu ao Conselho Institucional do MPF, que tem a função de decidir sobre conflitos de atribuições entre as Câmaras.

A decisão do Conselho Institucional

Na sessão desta quarta, o advogado de Flavio Bolsonaro, Rodrigo Roca, pediu que os conselheiros decidissem não sobre o prosseguimento da investigação, mas sobre o mérito das provas.

"O que nos parece é não se deveria decidir sobre se a investigação vai ou não ser concluída, mas, talvez, sobre o acerto ou desacerto sobre a valoração dos indícios angariados os autos e se eles estariam aptos a ensejar uma ação penal", disse o advogado.

A relatora do caso, procuradora Maria Iraneide Olinda Santoro Facchini, votou contra o recurso. Ela disse ver indícios de crime e a necessidade de prosseguir com a apuração.

Maria Iraneide ressaltou, porém, que não entrou no mérito para analisar se houve fato delituoso.

"A defesa não trouxe aos autos documentos para deixar mais clara a situação. Meu voto é para prosseguir para que venham mais elementos, terá mais condições de solicitar arquivamento ou promover ação. Não entro no mérito do delito, se há fato delituoso. Vejo indícios e vejo essa necessidade de prosseguir", afirmou.

Todos os demais procuradores seguiram o voto dela.

Investigação

A investigação começou com a denúncia de um advogado sobre valores pagos e declarados por Flávio, relacionados a imóveis no Rio de Janeiro.

A Polícia Federal abriu inquérito e não encontrou indícios de crime. Na Justiça Eleitoral, o promotor responsável pediu o arquivamento.

O juiz eleitoral do inquérito, Flávio Itabaiana, discordou da conclusão, e o caso foi para o Ministério Público Federal, em Brasília.

Compra de imóvel na Zona Sul

O imóvel alvo do inquérito é uma cobertura que fica no bairro de Laranjeiras, na Zona Sul do Rio. O apartamento foi adquirido pelo senador e sua esposa, Fernanda. Na declaração de bens em 2014, Flávio afirma que o imóvel foi comprado à época pelo valor total de R$ 565 mil.

Já em 2016, o senador declarou somente o valor da sua metade do imóvel, R$ 423 mil.

Mas documentos da acusação mostram que o valor total da cobertura é de R$ 1,7 milhão. O inquérito foi aberto em fevereiro de 2018.

Esse foi o terceiro pedido de arquivamento em 2 anos.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas