Após 6 meses do surgimento, 5 toneladas de óleo são recolhidas em praia da Bahia

Material foi encontrado no domingo (8); segundo os Guardiões do Litoral, no dia 1º de março, foram recolhidos outras três toneladas de óleo

As manchas de óleo que surgiram há seis meses no litoral do Brasil continuam aparecendo e provocando prejuízos ambientais em praias da Bahia. No domingo (8), cerca de cinco toneladas de óleo foram recolhidas da praia de Itacimirim, em Camaçari, no litoral norte do estado. 
As informações são do grupo "Guardiões do Litoral", que, com apoio de voluntários, fez a retirada do óleo da praia. Segundo os Guardiões do Litoral, no primeiro domingo de março, no dia 1º, foram recolhidos três toneladas de óleo.
Artur Serbe, coordenador do Guardiões do Litoral, informou que, ao todo, já foram recolhidos 8 toneladas de óleo.
"A gente acredita que só recolhemos bem menos da metade do material que deve estar lá. Estima-se que ainda tem 25 toneladas com material sólido. A espessura é grande, tem 15 a 20 centímetros de material oleosos com areia. Está misturado e tem uma camada grande", contou.
O grupo ressaltou que não são novas manchas que voltaram a aparecer. O que foi recolhido faz parte dos resquícios que ficaram presos nas pedras e na areia.
"As manchas já estavam lá, não são manchas novas. É o petróleo que já chegou, foi soterrado com a maré, o movimento de acumulação de areia durante o verão e o petróleo, que provavelmente derreteu com o aquecimento solar, passou a camada de areia e se alojou na parte mais rígida, as pedras ou bancadas de coral", explicou Artur Serbe, coordenador do Guardiões do Litoral.
Artur conta que o grupo ficou ciente do óleo no local através do monitoramento realizado por algumas pessoas que integram os Guardiões, além de pessoas que frequentam as praias.
"Um amigo nosso mandou uma foto para gente. Ficamos muito impressionados com a quantidade de petróleo que ainda tinha lá. Foi na lua nova, durante o carnaval, que teve uma movimentação de água e areia, que acabou descobrindo essa parte da praia onde tinha o petróleo", contou.