Artigo | Alyne Regis

Seu cérebro tem que trabalhar a seu favor

Alyne Regis

Nutricionista, especialista na implementação de hábitos e ativação neural. Mentora no programa habito28.com.br.

É comum querermos iniciar uma atividade ou aprender uma nova habilidade, como estudar um idioma, tocar um instrumento, fazer um curso ou até uma pós-graduação, mas não passarmos apenas da vontade. Você já parou para se perguntar por que geralmente não damos seguimento a essa vontade? Por que será que não conseguimos ultrapassar a barreira do pensar e colocarmos essa vontade em ação?

Parte dessa resposta está no fato de que seu cérebro está trabalhando contra você. Sim, seu cérebro pode estar lhe traindo. Mas como assim traindo? Preste bastante atenção agora que vou explicar.

Você quer muito fazer um curso de inglês, por exemplo, e quando começa a raciocinar sobre como executar isso, abre espaço para uma negociação com o cérebro. E é nesse momento que o seu modelo mental vence a discussão. Ou seja, seu sabotador é seu modelo mental. Eis o vilão.

O que é modelo mental, afinal? É o seu padrão de pensamentos, sua mentalidade, o que muitos chamam de mindset. Sim, esta é a forma como seu cérebro enxerga o mundo e interpreta as situações a sua volta. É aquilo que você realmente acredita, mas sem nem perceber. A isso chamamos também de crenças. E são essas crenças que influenciam seu comportamento e fazem você agir como age atualmente.

Se você, por exemplo, tem um padrão mental de deixar sempre tudo para depois, seu modelo mental irá buscar argumentos para procrastinar quando cogitar fazer um curso de inglês. Assim, você vai se habituando a deixar para depois, depois e depois, até esquecer. Por isso, eu digo que é seu modelo mental quem irá decidir ganhar essa batalha ou perdê-la antes de começar.

Se é o seu modelo mental quem toma a decisão, faça uma reflexão: estou feliz e confortável com as decisões que ele tem tomado? Caso a resposta seja não, você precisa saber agora como modificar esse padrão mental. Sim, é possível mudá-lo. Você não precisa morrer achando que sempre será assim. Para começar, precisa identificar qual o modelo mental tem influenciado suas decisões. É imprescindível mapeá-lo, observar bem, para calcular todos os padrões que ele segue. Nós só conseguimos mudar algo que temos consciência que existe. Por isso, a autoanálise e o autoconhecimento estão no início dessa jornada de mudança.

Após identificar seu modelo mental atual (ex: procrastinador, distraído, preguiçoso, vitimizador, entre outros), você poderá quebrar as crenças e modificar os hábitos. Isso refletirá nos seus comportamentos diante das decisões que precisa tomar. E, consequentemente, terá uma vida com muito mais realizações e progressos. Somente assim, seu cérebro poderá finalmente trabalhar a seu favor, e não contra você.

É verdade que essa não é uma tarefa fácil e indolor, não vou mentir. Talvez você até nem esteja disposto a fazer isso no momento. Mas uma coisa posso afirmar: ao ultrapassar o primeiro breve limite dessa dor, cada dia será um novo patamar superado, gerando orgulho, prazer e bem-estar. Esses desafios irão instigar você a querer cada vez mais. Mais conhecimento, mais sucesso, mais qualidade de vida, mais evolução... E esse será seu novo modelo mental em pouco tempo, fazendo você alcançar, conquistar e consolidar tudo o que almeja nessa vida.

Com certeza vale a pena começar e pagar o preço para não parar mais.