Artigo | Alyne Regis

Por que me distraio tão facilmente?

Alyne Regis é nutricionista, especialista na implementação de hábitos e ativação neural. Mentora no programa habito28.com.br.

Alyne Regis

Nutricionista, especialista na implementação de hábitos e ativação neural. Mentora no programa habito28.com.br.

Por que é tão difícil se concentrar e, depois, manter-se concentrado em uma tarefa? A gente até começa uma tarefa, mas depois parece que nosso pensamento voa e, de repente, ficamos perdidos em algo totalmente fora de foco. Sim, nosso cérebro se distrai com facilidade, até por coisas totalmente sem importância. Podemos até levantar algumas hipóteses sobre o porquê disso acontecer: talvez você não esteja motivado o suficiente para executar essa tarefa, ou talvez não se sinta completamente capaz de executá-la, quem sabe até a simples ausência de foco e planejamento na dita tarefa seja a causa. Independente da razão, existe algo que une todas as explicações: falta de planejamento e de uma estratégia de foco.

O que fazer, então, para ser menos distraído? Vamos começar pela organização e planejamento de tarefas. O primeiro passo é se questionar: eu tenho o hábito de organizar minhas atividades e compromissos em uma agenda? Pode ser agenda física ou digital, até no celular, mas isso já é um hábito? É importante se questionar sobre isso, porque, sem essa organização básica, você sequer terá como checar, ao final do dia, se seus compromissos foram ou não concluídos. Dessa forma, você tem inclusive a chance de reagendar algo, mas não de simplesmente esquecer.

O segundo passo é você classificar seu tempo em ordem de prioridades, entre atividades urgentes, importantes ou circunstanciais. E aí, chegou nesse nível? Se você respondeu não, atenção: talvez esteja preso nas clássicas três armadilhas da distração.

Essas três clássicas armadilhas são: incapacidade de estabelecer prioridades (isso pode estar consumindo seu tempo e sua energia desnecessariamente); falta de vontade de organizar a própria vida (para você, tudo “tanto faz”); e falta de disciplina para executar e se manter fiel ao seu planejamento. Em qual deles você acredita que se encaixa? Em dois deles, apenas um ou nos três? Faça sua reflexão.

Acredito agora que tenha chegado à conclusão de que precisa planejar bem seu tempo e seus recursos, além de manter o foco necessário para evitar as distrações tão prejudiciais à produtividade. Correto? Baseado nisso, trago palavras de Stephen R. Covey, autor do livro “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes”: “cada vez que pensamos que o problema não é nosso, essa atitude é o problema”. Portanto, precisamos entender que esse é definitivamente um problema que precisamos resolver. Vamos agora ao passo a passo.

Comece identificando os papéis que você precisa exercer em cada atividade. Em seguida, estabeleça metas. A melhor forma de fazer isso é estabelecer metas SMART (específicas, mensuráveis, atingíveis, relevantes e temporais). Se for difícil de compreender, comece pela parte fácil: metas simples, que estejam ao seu alcance. Na sequência, planeje atividades diárias e semanais para atingir essas metas. Por fim, esteja pronto para se adaptar aos imprevistos que ocorrerão no meio do caminho, pois esses obstáculos vão aparecer, acredite. Só não desista quando os imprevistos acontecerem. Apenas recalcule a rota e continue.

Pegou o passo a passo? Agora haja! Mas não esqueça de antes organizar as tarefas, planejar na sua agenda e executar, mesmo que apareçam obstáculos. Pare de buscar culpados pela sua falta de resultados. Agora é com você.

Alyne Regis, nutricionista, especialista na implementação de hábitos e ativação neural. Mentora no programa habito28.com.br.