Artigo | Alyne Regis

Meu cérebro está cansado: me ajuda!

Alyne Regis

Nutricionista, especialista na implementação de hábitos e ativação neural. Mentora no programa habito28.com.br.

Quanta coisa para dar conta, não é? Só de pensar, já cansa: acordar cedo, oração, meditação, trabalho, exercíciofísico, leitura, autocuidado, tempo de qualidade com a família, atenção aos amigos, cuidar da casa, planejar o dia seguinte... Ufa! Será que consegui me lembrar de tudo? Talvez não, porque sempre tem aquela tarefa que você acaba não lembrando, ou lembra de última hora. Final do dia, como você está? Certamente esgotado e talvez com a sensação de que não conseguiu fazer tudo o que gostaria. E assim, você acaba mais um dia, com seu cérebro extremamente cansado. Acertei?

Geralmente, temos a sensação de que nos dedicamos ao máximo, mas que nunca é o suficiente para fazer tudo com excelência. Muitas vezes, não conseguimos colocar a cabeça no travesseiro, de forma tranquila, com certeza de que nada ficou por fazer. Por que sempre existe essa sensação de culpa ou de cansaço que nos acompanha como sombra?

Talvez você esteja querendo abraçar o mundo se comprometendo com atividades em excesso. E é isso que não tem te trazido sossego ou tempo de descanso. Talvez você seja uma pessoa desorganizada, sem planejamento, que deixa tudo para última hora e sempre está atrasado ou cansado da rotina que leva. Ou quem sabe está feliz e satisfeito com as atividades e tarefas que escolheu. No entanto, não tem mais a disposição de antes, quando era mais jovem. A partir daí, começa a pensar: será que tudo isso vale a pena?

A primeira questão é refletir se todas as atividades que compõem o seu dia estão alinhadas com seus princípios e valores pessoais. Ou será que há coisas que você faz praticamente empurrado? Você precisa, antes de tudo, elencar quais são seus princípios e valores, para que suas atividades estejam coerentes. Só assim, terá a sensação de que não está gastando energia de forma desnecessária com algo que não irá fazer você feliz.

A segunda questão é pensar se esse cérebro cansado já não pode ser sinal de um corpo esgotado. Reflita: você está sempre indisposto, sem vontade para fazer nada e sem ânimo para as atividades que antes faziam bem? Quando estamos há muito tempo passando dos limites do nosso corpo, o cérebro pode começar a dar sinais de que algo está errado, para que você pare e recalcule a sua rota. E uma das formas de ele fazer isso é reduzindo sua concentração, atenção, memória, vigor e aprendizado.

A terceira e última questão é observar se você está fornecendo o descanso e os nutrientes que seu cérebro necessita. Qual o combustível você tem abastecido a máquina mais poderosa que você dispõe: “seu cérebro”? Todos esses questionamentos nos levam a crer que se não pensarmos nessas respostas agora, em algum momento o seu cérebro vai falhar e você terá que tomar decisões ainda mais difíceis de correção e tratamento, e não mais de disposição e performance.

Chegou a hora de mudar. Mudar agora, não amanhã. Rever o que não está dando certo, recalcular a rota e seguir em frente. É claro que dá tempo, você só precisa começar! E eu te ajudo, vem comigo.