Artigo | Alyne Regis

A que tribo você pertence?

Alyne Regis

Nutricionista, especialista na implementação de hábitos e ativação neural. Mentora no programa habito28.com.br.

Você já ouviu falar que é a média das cinco pessoas com quem mais convive? Sim, você é a média comportamental dessas pessoas, as que estão próximas de você nas diversas áreas da vida. Essa média comportamental se refere a finanças, saúde, práticas espirituais, atividades sociais e até, inclusive, quando se trata de hábitos, sejam saudáveis ou não.

Muitas vezes, praticamos hábitos que não sabemos explicar como surgiram em nossa vida. Quando vamos investigar, percebemos que trouxemos alguns desses hábitos de alguém próximo, sem percebermos. Se esse hábito for bom, isso é ótimo; mas se for um hábito ruim, ligue o alerta! Isso é um problema.

Há determinados núcleos familiares ou profissionais que, por vezes, compõem nossa rede de contágio social, sem qualquer domínio da gente. O termo “contágio social” é usado porque realmente esses hábitos dos outros contagiam a gente, invisivelmente. Neste momento, a grande dúvida é: como proceder para não ser influenciado negativamente pelas pessoas que compõem a rede de convívio?

Primeiramente, tome consciência de qual comportamento gostaria de ter, mas que as pessoas a sua volta não pratica. Segundo, busque parceiros que compartilhem dos mesmos objetivos e metas que você, de forma que vocês possam se monitorar mutuamente. Isso se chama “Parceiros de Responsabilidade”, essenciais para que você não fraqueje no meio da jornada.

Agora atenção: não estou pedindo que você despreze seus entes queridos ou colegas de trabalho só por que não são adeptos da corrida de rua, da leitura ou da alimentação saudável que você queria tanto ter. Lembre-se: cada pessoa pode ter um espaço na sua vida e ser uma referência em algum outro aspecto. Respeite as diferenças.

Uma boa solução é setorizar seus amigos em tribos, para que cada membro pertencente a uma tribo influenciem o outro. Por exemplo, eu tenho a minha tribo que gosta de leitura. Assim, não fico triste se outras pessoas ao meu redor não gostarem de ler. Com essa tribo específica de leitura, chegamos a criar um clube do livro, dentro do qual discutimos mensalmente a leitura de um livro diferente. Dessa mesma forma, você também pode ter tribos para os diferentes hábitos que deseja implantar no seu cotidiano. Fica muito mais fácil não procrastinar e ainda executar bem o seu hábito tão almejado.

Deixo, então, essa questão para você: de qual tribo gostaria de fazer parte? Comenta comigo e vamos juntos construir esse novo hábito que tanto deseja!