CPI do Lixo de Arapiraca recolhe documentos em órgãos municipais

Objetivo da ação de hoje foi recolher documentos que possam embasar as denúncias de contratação milionária sem licitação

Uma comissão formada por cinco vereadores que integram a CPI do Lixo realizou, nesta terça-feira (24), diligências de busca e apreensão em diversos órgãos da Prefeitura de Arapiraca. O objetivo é recolher documentos que possam embasar as denúncias de contratação milionária sem licitação.

Comandados pelo presidente da CPI, vereador Zé Carlinhos (PSC), o grupo percorreu as secretarias municipais de Gestão Pública, a Comissão de Licitação, a Secretaria de Finanças e a Secretaria da Fazenda em busca de cópias de processos de licitação, de autorização de pagamento, de autorizações e contratos emergenciais, além de cópias de pagamentos. Todos os documentos serão encaminhados ao Ministério Público Estadual, especificamente para o promotor da 4ª Vara, Rogério Paranhos, que apura o caso.

A CPI do Lixo deveria realizar hoje uma audiência na qual seriam ouvidos servidores municipais, entre eles a vice-prefeita Rutineide Pereira (MDB), que fez parte da comissão de licitação. A CPI quer saber porque, nos últimos dois anos, a prefeitura pagou mais de R$ 40 milhões a serviços de prestação de coleta de lixo sem licitação.

O MPAL vai receber, até amanhã, um relatório preliminar sobre esses pagamentos. O documento deve ser encaminahda juntamente com os documentos apreendidos nos órgãos municipais.

A Gazetaweb tentou falar com o prefeito Luciano Barbosa e com o representante da empresa Ciano Soluções Ambientais, mas não obteve êxito.

A CPI do Lixo foi instalada em dezembro do ano passado. A última licitação para pagamento de coleta de lixo sólido foi em 2014 e teve duração de cinco anos.