Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > ALAGOAS

PMs são alvos da PF por suspeita de venda de armas para facções de AL

Foi determinado o sequestro de bens e bloqueio de valores de até R$ 10 milhões dos investigados


				
					PMs são alvos da PF por suspeita de venda de armas para facções de AL
Operação nesta terça. Foto: Polícia Federal

Policiais militares da Bahia e Pernambuco, CACs e lojistas são alvos de uma operação da Polícia Federal (PF) realizada nesta terça-feira (21), por suspeita de integrar uma organização especializada em vender armas e munições ilegais para facções criminosas nos dois Estados e em Alagoas.

Durante a operação, são cumpridos 20 mandados de prisão e 33 de busca e apreensão.

Leia também

A ação integrada é realizada pela PF e pelo Ministério Público da Bahia. A operação conta com apoio da Polícia Civil da Bahia, das Polícias Militar da Bahia e de Pernambuco, além do Exército Brasileiro.

As cidades do cumprimento dos mandados são Juazeiro (BA), Salvador (BA), Santo Antônio de Jesus (BA), Porto Seguro (BA), Lauro de Freitas (BA), Petrolina (PE) e Arapiraca (AL).

Foi determinado também o sequestro de bens e bloqueio de valores de até R$ 10 milhões dos investigados, além da suspensão da atividade econômica de três lojas localizadas em Juazeiro, Petrolina e Arapiraca, que comercializavam material bélico de forma irregular.

Durante a deflagração da operação, o Exército Brasileiro fiscalizou outras lojas que vendem armas, munições e acessórios controlados nos municípios de Juazeiro, no norte da Bahia, e Petrolina, no Sertão de Pernambuco.

Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, comercialização ilegal de armas e munições, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, com penas somadas que podem chegar a 35 anos de reclusão.

DENOMINAÇÃO

A operação foi denominada "Fogo Amigo". Segundo a PF, o nome faz alusão ao fato de que os policiais integrantes da organização criminosa vendem armas e munições de forma ilegal para criminosos faccionados, que acabam sendo utilizadas contra os próprios órgãos de segurança pública.

A Polícia Federal informou que o caso continuará a ser investigado na tentativa de descobrir a real amplitude da suposta organização criminosa e identificar outros integrantes.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas