Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > NOTÍCIAS

Satélite registra chegada de mancha de sedimentos ao oceano

Segundo pesquisador, há possibilidade de que o lixo se acumule na Praia do Cassino, em Rio Grande


				
					Satélite registra chegada de mancha de sedimentos ao oceano
Imagens de satélite comparam o extremo sul da Lagoa dos Patos antes e depois das enchentes que afetaram o Rio Grande do Sul. Divulgação/Lods/Furg

Imagem de satélite captada no último domingo (26) mostra a chegada da mancha de sedimentos oriundos da enchente no Rio Grande do Sul ao Oceano Atlântico, por meio da extremidade sul da Lagoa dos Patos. O registro foi feito por pesquisadores do Laboratório de Oceanografia Dinâmica e por Satélites da Universidade Federal do Rio Grande (Lods/Furg).

O professor Fabricio Sanguinetti, que é o coordenador do laboratório, afirma que a mancha chegou ao oceano na quinta-feira (23). O registro por satélite, porém, não pôde ser feito no mesmo dia por causa do excesso de nuvens. Na imagem divulgada, é feita comparação com o mesmo local no dia 25 de abril, pouco antes do início das chuvas históricas que atingiram o estado.

Leia também

Segundo Sanguinetti, não é possível falar que os sedimentos chegaram ao Oceano Atlântico somente na semana passada. “Eles estavam chegando em diferentes profundidades, mas pode-se dizer que, massivamente, começaram a chegar na quinta-feira passada, ou seja no dia 23.”

Em relação aos impactos provocados pela chegada do lixo e de demais resíduos ao litoral, uma das possibilidades é de que a Praia do Cassino, na cidade de Rio Grande (RS), seja a mais afetada. “Dadas as condições oceanográficas e o padrão de circulação costeira, as correntes costeiras vão direcionar parte desse resíduo para as praias”, comenta.

“Um impacto ambiental bem visível que a gente vai ter, provavelmente, é a chegada de parte desse material na Praia do Cassino, né, se depositando ali na faixa de areia mesmo. Isso causa impacto ambiental para os animais que vivem naquele setor e para a utilização da praia, por mais que a gente esteja no inverno”, detalha.

Outra possibilidade é a formação dos chamados bolsões de detritos. “Será necessário monitorar as áreas propícias à formação desses bolsões para validar esta hipótese.”

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas