VÍDEO: "Quem quer mais água?", grita Bolsonaro a crianças de Piranhas

De acordo com o governo federal, mais de 10 mil pessoas serão beneficiadas com o sistema que capta água do Canal do Sertão

"Quem quer mais água?", perguntou o presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido), a dezenas de crianças sertanejas de Alagoas, nesta quinta-feira (5), ao inaugurar a ampliação do sistema de abastecimento de água do município de Piranhas, no Sertão do estado.
Bolsonaro controlava a torneira enquanto as crianças se aglomeravam embaixo do cano esperando pela água. A água encanada ainda é uma novidade para muitos moradores da região. Entre o abrir e fechar da torneira, o presidente brincava: "acabou, acabou".
Em outro momento da comemoração, Bolsonaro pegou um menino e o ergueu por alguns segundos embaixo da vazão de água.
De acordo com o governo federal, mais de 10 mil pessoas serão beneficiadas com o Sistema de Abastecimento de Água (SAA) entregue em Piranhas, e que capta água no Trecho III do Canal do Sertão Alagoano. A obra inaugurada hoje beneficia os moradores do Distrito de Piau, na zona rural.
"Muitos não sabem a satisfação e a alegria que é ter água tratada na residência, quando abre a torneira. A água permite que a sua família tenha saúde. O mais importante é servir a população e é por isso que o dinheiro pago pelos impostos tem sido investido de volta para ela", ressaltou o ministro Rogério Marinho.
A obra, executada com recursos de R$ 12 milhões da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), é composta de 6 km de adutora de água bruta, de uma Estação de Tratamento de Água (ETA) do tipo dupla filtração (que trata 100 m³ de água por hora), de 12 quilômetros de adutora de água tratada e de 8 quilômetros de rede de distribuição setorizada e ampliada.
Para o presidente da Funasa, coronel Giovanne Silva, o SAA vai melhorar a vida da comunidade. "Esta obra foi construída com recursos do Governo Federal, na gestão do presidente Bolsonaro. Estamos muito felizes em entregar água de boa qualidade para a população local, que tem muita carência, oferecendo mais a quem menos tem", afirma Silva.