PMs pressionam governador por respostas para tropa e buscam reunião com Estado para evitar radicalização

Categoria corre contra o tempo para aprovar projetos na ALE e garantir sanção até o início de abril

As lideranças militares alagoanas estão mobilizadas e na expectativa de um encontro com o governador Renan Filho (MDB), que, em sete anos, nunca se sentou com a categoria.

Na pauta, o Escalonamento Vertical, Quadro de Organização da PM para promoções e o Sistema de Proteção Social dos Militares. Segundo o presidente da Associação dos Oficiais Militares (Assomal), coronel Olegário Paes, a tropa quer uma saída negociada para evitar radicalização. 

"Greve não existe em nosso jargão militar, o que pode ocorrer é nada como também tudo. Depende da sensibilidade do governador, porque nossas pautas são viáveis. Como sempre fizemos, nossos movimentos são de forma ordeira, vamos dirimir nossas estratégias nos próximos 15 dias", disse Olegário. 

Em entrevista à jornalista Porlanne Santos, no TV Mar News, na manhã desta quarta-feira (19), ele disse que a categoria - desde o início do processo de negociação com a Secretaria de Planejamento - realizou um detalhado estudo de impacto financeiro que aponta para a viabilidade de cumprimento da pauta econômica sem comprometimento dos cofres públicos. 

"Temos conversado com todos os comandantes e o secretário, mas, no momento, quem decide é o governo. O secretário Fabrício Marques (Seplag) é o maior entrave. Ele ficou com algum rancor desde que tivemos encontros passados, porque todos os projetos que lá chegam demoram muito", revelou o presidente da Assomal. 

Olegário disse que as categorias querem o encontro com o governador, "que, se quiser, pode resolver da melhor maneira possível" até o retorno dos trabalhos na Assembleia Legislativa. Mesmo reconhecendo a importância de todas as pautas, os militares entendem que o Escalonamento Vertical é prioridade, pois - de uma só vez - alcançará militares da ativa, inativos e pensionistas.

"E é uma matéria que, por sua natureza financeira, precisa ser apreciada com urgência, já que o governo, conforme a legislação eleitoral, tem até o início da abril para implantá-la. Em conversa que já temos mantido com parlamentares, o que sentimos é uma receptividade. Eles, inclusive, sempre ouvem as lideranças. Por isso, pedimos ao governo que encaminhe, ainda no recesso, os projetos para a ALE. No caso do Escalonamento Vertical, ele traz dignidade para todos", completou Olegário.

No dia 8 de fevereiro, os militares irão realizar uma assembleia conjunta com todas as lideranças para definirem detalhes da estratégia de mobilização. Até lá, continuam buscando um encontro com o Executivo.