JHC e Rui se reúnem e iniciam processo de transição em Maceió

Equipe mista, indicada por ambos, tem curto intervalo de tempo para o compartilhamento de informações da gestão

Em conversa com a imprensa, Rui comentou que o tempo da transição é muito curto e todos os esforços serão empreendidos para que as informações sejam compartilhadas em tempo hábil, até as festas de fim de ano. Segundo ele, o trabalho foi montado para deixar a transição mais transparente possível, seguindo as determinações da PGJ [Procuradoria Geral de Justiça] e TCE [Tribunal de Contas do Estado]. 
"Acho que o prefeito João Henrique Caldas montou uma equipe com pessoas que conhecem a prefeitura, que conhecem de administração pública. Acho que nosso maior inimigo é o tempo muito curto, só temos três semanas para a véspera de Natal, então é preciso que as equipes passem as informações que serão requeridas pelo prefeito eleito e sua equipe de transição. A gente já vem trabalhando nisso há algumas semanas", detalhou o atual prefeito.
O prefeito disse acreditar que o seu sucessor terá um grande desafio, levando em consideração o aporte significativo de recursos federais que salvaram Maceió de um colapso financeiro. Mas, a tendência é que, em 2021, o socorro não chegue.
"Certamente, não vai ser um ano fácil, do ponto de vista financeiro. Nós enfrentamos muitas dificuldades ao longo desses oito anos, dificuldades financeiras, a pandemia, a questão do Pinheiro, a questão política no governo Dilma e Temer; então foram vários fatores que enfrentamos, e tenho certeza de que o prefeito eleito vai estar preparado para enfrentar as dificuldades do próximo ano, já que a economia começa a voltar ao patamar de um ano atrás, mas isso é algo que leva tempo, e a receita tributária do Município vai levar um tempo para se recuperar ao período pré-pandemia", resumiu.

Equipe mista, indicada por ambos, tem curto intervalo de tempo para o compartilhamento de informações da gestão - Foto: FOTO: Tatianne Brandão

COMO SERÁ A TRANSIÇÃO?
Da atual administração, quem vai comandar os trabalhos é a secretária de Governança, Iria Almeida. Aos jornalistas, ela informou que o objetivo deste momento é passar o Executivo de modo que o futuro prefeito consiga tocar todos os serviços essenciais no primeiro mês.

"Estamos seguindo todas as recomendações do TCE [Tribunal de Contas Estadual] e a resolução da PGJ [Procuradoria Geral de Justiça]. Então, já existe um roteiro preestabelecido por esses órgãos de controle, e o Município de Maceió está seguindo tudo. Devido ao período de pandemia e à alteração do período eleitoral, a gente vai ter um tempo menor de transição. Todas as informações exigidas pelo TCE serão disponibilizadas ao novo gestor. Nós vamos trabalhar com todos os indicativos de transparência", destacou a coordenadora de transição da equipe de Rui Palmeira.

A comissão é composta por servidores efetivos, comissionados e servidores indicados pelo novo prefeito. "Hoje, a gente deve sair daqui com a minuta dessa composição para que, até sexta-feira, a gente publique no Diário Oficial", afirmou Iria Almeida. "Quanto à situação fiscal, vamos passar todo o procedimento de como vai ser esse cronograma, disponibilizando todas as informações", acrescentou.

O coordenador da transição indicado por JHC, deputado Davi Maia (DEM), disse que espera um processo pacífico. "Será uma transição com auxílio de organizações nacionais, para que tudo aquilo que foi prometido na campanha seja cumprido. Tenho certeza da capacidade da nossa equipe técnica e, também, da boa intenção da gestão atual. Acho que não teremos ruído nas informações e, tenho certeza de que, em breve, o primeiro diagnóstico será divulgado. E, em janeiro, o plano de 100 dias estará nas ruas".