Defensoria rebate versão do governo de AL e alerta que situação do HDT é caótica

Órgão de orientação e defesa jurídica do cidadão reforça a abertura de ação civil pública contra a gestão estadual devido à 'situação grave' do local

A Defensoria Pública do Estado de Alagoas (DPE/AL) rebate a versão do governo Renan Filho (MDB) sobre a situação do Hospital Escola Helvio Auto, antigo Hospital de Doenças Tropicais (HDT) e afirma que a situação do estabelecimento de saúde permanece caótica, conforme revelou a Gazeta na edição deste fim de semana. 
Em nota divulgada neste último sábado (29), o órgão de orientação e defesa jurídica do cidadão reforça a abertura de ação civil pública contra a gestão estadual, devido à "situação grave" e histórica do local, que representa riscos à saúde de pacientes, familiares e profissionais de saúde.
"A Defensoria Pública do Estado de Alagoas vem esclarecer à sociedade que a ação civil pública ajuizada no último dia 28 de fevereiro de 2019 tem por único objeto a situação de grave (e histórica) adversidade estrutural enfrentada pela UTI do Hospital Hélvio Auto, sobretudo relativamente à total ausência de isolamento em 5 (cinco) dos seus 7 (sete) leitos para doenças infectocontagiosas em geral, a representar, por si só, riscos para demais pacientes, equipes de saúde e familiares, independentemente da preocupação conjuntural atual acerca do Coronavírus", consta na nota assinada pelo defensor público Fabrício Leão Souto.
Em sua edição de fim de semana, em matéria assinada pelo jornalista Arnaldo Ferreira, a Gazeta confirma que o Hospital Helvio Auto não tem estrutura adequada para atender casos de coronavírus, notadamente leitos preparados da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a chamada sala de pressão negativa, que impede a propagação de vírus por eventuais pacientes atendidos na unidade, conforme preconizam entidades, como o Conselho Regional de Medicina de Alagoas (CRM-AL).

Defensores conversam com equipes do antigo HDT - Foto: FOTO: Cortesia À GAZETAWEB

De acordo com o defensor público, as justificativas apresentadas pelo hospital, por meio de nota, colidem com a realidade que "ainda hoje lá se encontra na UTI".
Representantes da Defensoria já haviam realizado visita ao Helvio Auto e identificado deficiências graves desde o ano passado. Sem solução, ingressaram com ação civil pública.

"A finalidade e o foco da Defensoria Pública são lidar com as exigências que a situação objetiva requer, adotando as medidas e criando as convergências para a superação dos problemas existentes", reforça Fabrício Leão.

Por meio de nota, o Hospital Helvio Auto, que é ligado à Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), assegura que a última visita da Defensoria Pública ocorreu em novembro de 2019 e que, após a constatação dos problemas, "enviou a lista de itens necessários para manutenção do atendimento em seus sete leitos de UTI" e, com isso, os dados divulgados pela Defensoria estariam "desatualizados". 

Diferente do que diz a unidade de saúde, a Defensoria não somente confirma que a situação permanece caótica, como leva à Justiça ação civil pública contra a unidade de saúde. 

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p