Comissão de Saúde da ALE pede à Sesau relatórios sobre estoque de vacinas em Alagoas

Sem remessas novas, diversos municípios do Estado suspenderam a vacinação da segunda dose da CoronaVac

Os integrantes da Comissão de Saúde e Seguridade Social da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) pediram, oficialmente, à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), relatórios sobre estoque de vacinas contra a Covid-19. Eles querem saber qual a situação atual do quantitativo de lotes dos imunizantes, em meio à suspensão da aplicação da segunda dose da CoronaVac em diversos municípios alagoanos, inclusive na capital.

Durante a sessão desta terça-feira (27), o presidente desta comissão temática, deputado Léo Loureiro (PP), revelou que se reuniu, nessa segunda-feira (26), com o secretário de Saúde, Alexandre Ayres, do qual requisitou informações oficiais acerca do plano de imunização que está sendo executado em Alagoas.

“A pedido de todos os membros da comissão e, até da cobrança feita por alguns colegas parlamentares, estive com o gestor da pasta e pedi os relatórios. Assim, buscamos saber qual o estoque atual, como está sendo feita a distribuição, a frequência, quantas doses são enviadas para cada município, dentre outras questões”, destacou Léo Loureiro.

Ele disse acreditar que, até o fim da semana que vem, receberá estes documentos solicitados à Sesau. E prometeu repassar a todos os deputados estaduais, para que tenham conhecimento do planejamento adotado pelo Estado de Alagoas na logística da vacinação contra o coronavírus.

Antes da fala do pepista, o deputado Davi Maia (DEM) já tinha renovado a cobrança à Secretaria de Estado da Saúde, para que divulgue todas as informações acerca da vacina. Ele informou que tem analisado o Portal da Transparência do Governo de Alagoas e comparado aos dados mostrados no site do Ministério da Saúde (MS). Segundo o parlamentar, os números não batem.

“Enquanto o Estado de Alagoas divulga, no portal, que aplicou 619 mil vacinas até agora, e não divulga mais nada além deste número, o Governo Federal informa que enviou 728 mil vacinas para cá. Onde está a diferença no estoque? Além disso, Pariconha aparece, no site do Ministério da Saúde, com maior número de doses aplicadas do que recebidas. É uma falha que precisa ser revista. Cadê os números do Estado para que a gente possa comparar? Onde estão os estoque para a segunda dose? Qual o critério de distribuição”, ressaltou Davi Maia.

No contraponto, os deputados Silvio Camelo (PV) e Ronaldo Medeiros (MDB) voltaram a criticar o Governo Federal na condução do planejamento da vacinação no País. Para o líder do governo na Casa, todo o cronograma adotado pelo Ministério da Saúde tem problemas que influenciam diretamente na oferta de doses nos estados e municípios.