Apoiadores do voto impresso em Maceió vão às ruas no domingo

Em todo o Brasil, a matéria, que será votada na Câmara dos Deputados, tem mobilizado bolsonaristas

O voto impresso, principal pauta política do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), receberá o apoio dos bolsonaristas de Alagoas, no próximo domingo (1º), em ato marcado para às 9h, no Corredor Vera Arruda, no bairro Jatiúca. A convocação foi feita pela presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, deputada Bia Kcis (PSL-DF).

"Alô amigos de Maceió, no dia 1° de agosto, concentração na Praça Vera Arruda. Nós precisamos apoiar voto impresso auditável. A contagem pública dos votos e a transparência eleitoral. Então vocês já sabem é povo na rua", enfatizou Bia.

A parlamentar não estará no evento, conforme explicou o vereador Leonardo Dais (PSD), um dos articuladores da mobilização. "Bia é nossa amiga e apenas colaborou com a convocação. O evento vai reunir os apoiadores do presidente e defensores dessa pauta", explicou Dias.

Durante toda esta semana a mobilização continua sendo feita por vários grupos de apoiadores de Bolsonaro na internet e por aplicativos de mensagem. Este é o segundo ato em apoio ao presidente em uma semana. No final de semana passado, uma motociata organizada pelo deputado estadual Cabo Bebeto (PTC) arrecadou alimentos e reuniu milhares de apoiadores, que percorreram ruas da cidade.

O voto impresso vem sendo defendido pelo presidente como uma maneira, segundo tem revelado, de evitar fraude eleitoral. Entretanto, até o momento, ele não apresentou provas de que as fraudes existem. Na semana passada, durante sua tradicional live, ele garantiu ter encontrado elementos de que pelo menos em dois momentos - 2014 e 2018 - elas ocorreram.

O projeto que pretende transformar em lei o voto impresso nas urnas eletrônicas tramita na Câmara dos Deputados. Após o recesso parlamentar, o assunto deverá entrar em pauta. Nos bastidores, lideranças partidárias, inclusive de partidos que integram o centrão, têm revelado que não irão apoiar a proposta.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já encaminhou pedido de informações ao presidente Bolsonaro. Até o momento, ele não respondeu ao ofício do órgão.