Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > POLÍCIA

PC acredita que criança foi estuprada após passar 10 dias internada

Menino deu entrada duas vezes no hospital e violência sexual foi detectada na segunda entrada; ele morreu


				
					PC acredita que criança foi estuprada após passar 10 dias internada
Criança de dois anos morreu; polícia investiga pai suspeito de estupro.. Itaipu/Divulgação

As investigações da Polícia Civil de Alagoas apontam que a criança de dois anos, que morreu após ser estuprada, foi violentada depois de passar dez dias internada. As circunstâncias do estupro ainda estão sendo apuradas pela delegacia de Craíbas, cidade onde o caso ocorreu. Na última sexta-feira (7), o pai do menino foi preso em cumprimento a mandado de prisão temporária expedido pela 1ª Vara de Arapiraca - Infância, Juventude e Família.

De acordo com o chefe de cartório do 62º Distrito Policial, Jose Enilson Pereira Costa junior, o menino deu entrada no hospital no dia 30 de janeiro deste ano com um quadro de pneumonia. Ele ficou em tratamento dentro do Hospital Chama, em Arapiraca, até o dia 8 de fevereiro, quando recebeu alta médica.

Leia também

Ainda segundo o chefe de cartório, no dia seguinte, 9 de fevereiro, a criança foi novamente ao hospital reclamando de dores abdominais, momento em que ficou internada pela segunda vez, até o dia 12 do mesmo mês, quando morreu.

Enilson Pereira afirma que foi nessa segunda vez que os médicos do hospital detectaram lesões no menino, provenientes de violência sexual praticada por um adulto. Com isso, segundo ele, é possível que a criança tenha sido abusada sexualmente no intervalo entre a alta médica e a segunda vez em que foi levada para o hospital, situação que ainda está sendo investigada.

“A criança passou 10 dias internada. Foi limpa várias vezes e apenas no dia nove foi percebido. Então o fato ocorreu dia 8, antes da internação”, disse o chefe de cartório da delegacia.

Ele informou que o médico detectou uma lesão na criança compatível com uma penetração. O Instituto Médico Legal (IML), à época, colheu material genético no ânus da criança. A Polícia Civil informou que a causa da morte do menino deu como indeterminada.

A Polícia Civil afirmou que o pai da criança se tornou o principal suspeito do caso após entrar em contradição. Em depoimento, antes de ser preso, ele disse que não havia estado na unidade hospitalar quando o menino foi internado pela segunda vez. No entanto, o médico que atendeu a criança disse à polícia que o pai estava presente.

“Ele disse que não tinha comparecido no segundo internamento do filho, quando na verdade ele esteve e ficou questionando ao médico quando a criança iria falecer”, conta o chefe de cartório.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas