Dez dias após a morte do jovem Rubens, família começa a ser ouvida

Parentes dizem que vêm recebendo mensagens falsas sobre o acidente e cobram justiça

A família de Rubens Santos da Silva, de 20 anos, começou a ser ouvida nessa quarta-feira (9), dez dias após o acidente que tirou a vida do jovem. Rubens foi atropelado no último dia 30 de maio, na Via Expressa, em Maceió. O suspeito já se apresentou à polícia, mas foi liberado em seguida. Familiares, por sua vez, pedem por justiça. O caso segue sendo investigado.

À TV Pajuçara, a irmã de Rubens disse que vem recebendo mensagens falsas sobre o acidente, o que piora a dinâmica do caso e a dor dos parentes, que ainda sentem a partida do jovem.

"É comum, nós da família, nos depararmos com mensagens que não são verdadeiras. Seja nas redes sociais ou em matérias veiculas na mídia, há comentários. Não está sendo fácil. Só peço que quem tenha provas, as apresente à polícia. É o que precisamos. Não basta só falar", disse.

No entanto, a família acredita que o caso está próximo de se encerrar, e que o suspeito será preso. Ele tem a mesma idade da vítima e, no começo da investigação, foi acusado de estar embriagado enquanto dirigia em alta velocidade. O advogado do suspeito, por sua vez, negou as denúncias. O caso segue sendo investigado pela polícia.

Já na segunda-feira (7), a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) informou que as imagens do acidente não poderão ajudar a polícia a verificar a dinâmica do atropelamento e nem a velocidade com que o condutor do veículo trafegava, assim como era esperado, pois, segundo o órgão, houve uma falha na gravação das imagens e o momento do acidente não teria sido captado.

O CASO

Rubens dos Santos Silva, de 20 anos, morreu após ser atropelado por um carro na Avenida Menino Marcelo, no Benedito Bentes, em Maceió, no domingo (30). De acordo com parentes da vítima, testemunhas informaram que o suspeito estava embriagado e seria menor de idade. Familiares também denunciam que as câmeras de segurança que flagraram o acidente foram alteradas.

O suspeito do atropelamento se apresentou à polícia dois dias depois, sendo maior de idade e negando ter consumido bebida alcoólica no dia do acidente. Ele foi ouvido e liberado em seguida.

As investigações do caso estão sendo conduzidas pela delegada Sheila Carvalho.