Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > NOTÍCIAS

Polícia vai fazer reconstituição de morte de homem que levou “voadora”

Homem de 77 anos levou “voadora” de motorista após atravessar a rua com o neto; suspeito está preso preventivamente


				
					Polícia vai fazer reconstituição de morte de homem que levou “voadora”
Morte de Cesar Fine Torresi, de 77 anos, que levou uma “voadora”. Reprodução/Redes Sociais

A Polícia Civil vai fazer a reconstituição da morte de Cesar Fine Torresi, de 77 anos, que levou uma “voadora” na frente do neto, bateu a cabeça e sofreu traumatismo craniano em Santos, no litoral paulista, no sábado (8/6). Ele morreu após ser encaminhado para atendimento médico.

O autor da agressão, Tiago Gomes de Souza, 39, foi detido em flagrante e teve a prisão preventiva decretada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Na delegacia, o suspeito optou por permanecer em silêncio.

Leia também

Segundo o boletim de ocorrência, Tiago vinha em alta velocidade e teve que frear bruscamente, na Rua Pirajá da Silva, na lateral de um shopping, porque Cesar e o neto de 11 anos estavam atravessando a via.

Já a criança relatou, ao pai, que ela e o avô tinham começado a atravessar a rua no momento em que o trânsito estava parado e com semáforo fechado. Após o suspeito avançar com o carro sobre as vítimas, Cesar teria se apoiado no capô do carro.

De acordo com testemunhas, Tiago ficou irritado, desceu do veículo e deu uma voadora no peito da vítima, que já caiu desacordada. Cesar foi socorrido na UPA Zona Leste, sofreu três paradas cardíacas e teve a morte constatada.

Investigação

Apesar de não relatar qual foi a dinâmica dos fatos na sua versão, a defesa do suspeito contesta as informações do boletim de ocorrência. O advogado pediu a inclusão de imagens de câmeras de segurança no inquérito.

Na quarta-feira (12/6), a Polícia Civil pediu autorização judicial para Tiago, que está preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Vicente, acompanhar a reprodução simulada dos fatos. A medida, que pode ajudar a tirar as dúvidas sobre os casos, foi deferida pela Justiça.

Na delegacia, a ocorrência foi registrada como “lesão corporal seguida de morte”, cuja pena prevista é de 4 a 12 anos de prisão.

Veja a matéria completa em: Metrópoles.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X