Menino tem oito costelas fraturadas após ser espancado pela mãe e pelo padrasto por 'bagunçar' em SP

Agressão aconteceu na casa da mãe do menino. Polícia Civil investiga o caso.

Um menino de quatro anos foi brutalmente agredido pela mãe e pelo padrasto em São Vicente, no litoral de São Paulo. Segundo apurado pelo g1 nesta terça-feira (4), a criança teve oito costelas e um braço fraturados. Após bater nele, a mãe da criança fez um vídeo dizendo que cometeu a agressão porque na casa dela "ele não ia bagunçar" (veja o vídeo acima).

A tia do menino, a comerciante Jéssica dos Santos, de 31 anos, contou ao g1 que o sobrinho estava na casa da mãe dele, onde ficava aos fins de semana. "O menino e as duas irmãs foram criadas pelo meu irmão [pai das crianças], mas ficavam com a mãe de 15 em 15 dias. E, até então, não tínhamos reparado nenhum tipo de agressão", conta ela.

Segundo Jéssica, nos últimos meses, a mãe das crianças não estava querendo deixá-las verem o pai. "Meu irmão estava tendo dificuldades para pegar as crianças. Ele sempre cuidou dos três, mas não fez nenhum documento na Justiça. Foi tudo acertado informalmente", explica ela.

A comerciante contou que, no dia 28 de setembro, recebeu a notícia que o sobrinho estava machucado e com diversos hematoma. "Soubemos que o marido da mãe dele [padrasto] o levou enrolado em um lençol para a casa dos pais dele [pais do padrasto] e que eles tinham levado meu sobrinho para o hospital. Na hora, ficamos perdidos sem entender direito o que estava acontecendo", conta.

De acordo com Jessica, quando eles chegaram ao hospital ficaram sem acreditar no estado de saúde da criança. "Quando vimos o menino, foi um choque", conta Jessica. Devido aos machucados, o menino foi transferido para a UTI pediátrica da Santa Casa de Santos. "Os exames constataram as fraturas, além de diversas marcas roxas pelo corpo", disse.

Um vídeo, obtido pelo g1, feito pela mãe do menino mostra ela falando com ele após as agressões (veja o vídeo no início da reportagem). Ele está sem roupas, encostado na parede e machucado. A mulher diz: "Tá rangindo tu? Tu tá rangindo e virando a cabeça? Dentro da minha casa você não vai fazer bagunça. Você não vai fazer bagunça (sic)".

A comerciante disse que a família espera uma explicação. "Me pergunto toda vez que olho pra ele daquele jeito como que eles puderam ser tão cruéis assim. O que aconteceu para que eles fizessem isso? Todos estamos sem entender tanta maldade". Jessica diz que, após o episódio, a mãe e o padrasto não foram mais encontrados.

A Prefeitura de São Vicente esclareceu que os profissionais de saúde não podem comentar o caso. A Guarda Civil Municipal (GCM) informou que não foi acionada para essa ocorrência. Procurada pelo g1, a Santa Casa de Santos informou que no dia 29 deu entrada um paciente com as características mencionadas, mas o hospital não tem autorização para dar mais informações sobre o caso.

Em nota, a Secretaria de Segurança de São Paulo (SSP-SP) informou que o caso da criança citado foi registrado como lesão corporal e abandono de incapaz na Delegacia Policial de São Vicente. O caso foi encaminhado para a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) que está investigando os fatos e informou que não vai dar mais informações.