Comitê do Facebook vai anunciar se contas de Trump serão banidas

Perfis do ex-presidente dos Estados Unidos na rede social e no Instagram estão suspensos desde janeiro

O Comitê de Supervisão do Facebook irá anunciar a decisão final sobre a suspensão das contas do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na rede social e no Instagram na quarta-feira, dia 5 de maio, perto das 10h (horário de Brasília).

Os perfis de Trump estão suspensos desde o dia 7 de janeiro, um dia depois de seus apoiadores invadirem o Capitólio – ação que resultou na morte de 5 pessoas.

A empresa havia dito que o ex-presidente não poderia fazer novas publicações por pelo menos duas semanas, o que coincidia com a posse do presidente eleito Joe Biden.

"Acreditamos que os riscos de permitir que o Presidente continue usando os nossos serviços durante esse período são simplesmente muito grandes", escreveu Zuckerberg na ocasião.

Duas semanas depois de restringir as contas, o Facebook disse que o veredito seria do seu Comitê de Supervisão, um grupo formado por 20 membros – pessoas de todos os continentes, incluindo ex-juízes, advogados, jornalistas, ativistas de direitos humanos.

O caso de Trump foi atribuído a um painel de 5 membros, seguindo as diretrizes do conselho. A conclusão desse grupo deverá ser aprovada pela maioria dos 20 integrantes.

O prazo para avaliação dos casos que chegam ao conselho é de 90 dias – que expiraria em 18 de abril, mas foi ampliado para a avaliação de mais de 9 mil comentários sobre o caso.

O conselho é um órgão independente, que recebeu um investimento de US$ 130 milhões da rede social para funcionar como uma espécie de alta corte da rede social.

Ele conta com um estatuto próprio, que prevê suas obrigações e sua relação com o Facebook.

Pelo estatuto, as decisões são finais, o que significa que o Facebook é obrigado a acatar o que o Comitê decidir.

Trump suspenso das redes sociais

Outras plataformas também restringiram as contas de Trump. O Twitter suspendeu de forma definitiva o perfil pessoal do republicano. A rede alegou que os posts recentes do presidente incitavam a violência.

O YouTube também suspendeu o canal de Trump. Ele está impedido de enviar novos vídeos ou fazer transmissões ao vivo.