Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > MACEIÓ

TJAL declara inconstitucional lei que dificultava direito ao aborto

Lei 7.492 já estava suspensa desde janeiro deste ano


				
					TJAL declara inconstitucional lei que dificultava direito ao aborto
A ação direta de inconstitucionalidade foi proposta pela Defensoria Pública de Alagoas. Foto: Caio Loureiro

O Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL) declarou, nesta terça-feira (11), inconstitucional a lei 7.492/2023, que obrigava mulheres que buscavam o aborto legal na rede pública de Maceió a verem, de forma detalhada e com imagens, o desenvolvimento do feto semana a semana e como o procedimento seria realizado.

Suspensa liminarmente desde janeiro deste ano, por decisão do Pleno do TJAL, a lei foi declarada inconstitucional em votação por unanimidade.

Leia também

De acordo com o relator do processo, Fábio Ferrario, o Município de Maceió não tem competência para legislar sobre a matéria. Ele também lembrou que o direito ao aborto legal é assegurado no ordenamento jurídico brasileiro.

"Essa lei municipal retirava a autonomia e acentuava o sofrimento psicológico das mulheres", ressaltou Ferrario em seu voto.

A ação direta de inconstitucionalidade foi proposta pela Defensoria Pública de Alagoas. Segundo o defensor público-geral, Carlos Eduardo Monteiro, a lei municipal ofendia a Constituição do Estado.

"Essa é uma matéria de direito penal que compete à União legislar, não ao município", afirmou o defensor.

Para o advogado Igor Franco, representante da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Alagoas (OAB/AL), nem mesmo as Procuradorias do Município e da Câmara de Vereadores defenderam a constitucionalidade da norma. "Com essa lei, só se alcançava revitimizar as mulheres durante o procedimento".

*com informações da assessoria.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas