Criança jogada do 4º andar pode ser afastada do pai, diz Conselho Tutelar

O órgão disse que vai definir com quem a criança vai ficar, temporariamente, até que Justiça decida destino do menino, que está internado no HGE

O Conselho Tutelar que acompanha o caso da criança de seis anos jogada do 4º andar, no bairro Cidade Universitária, informou que vai afastar o menino do pai, temporariamente, até que a Justiça decida com quem ele deve ficar. Ele está internado no Hospital Geral do Estado (HGE).

De acordo com o conselheiro, Everton Pita, o órgão já notificou as tias da criança, que compareceram ao Conselho Tutelar e demonstraram interesse em ter a guarda do menino.

"Estamos conversando em colegiado para definir com quem ela vai ficar quando tiver alta. Há relatos que ela vinha passando por várias violações de direitos. Notificamos as tias, que compareceram ao Conselho Tutelar, elas demonstraram interesse em ter a guarda, mas informamos que guarda é através de Justiça, mas o conselho tem autonomia de deixar essa criança em local seguro e adequado", informou o presidente do Conselho Tutelar.

A criança foi jogada pela madrasta do 4º andar do prédio em que mora com a mulher e o pai, na madrugada de segunda-feira (23). Segundo as investigações, ela praticou o crime por ciúmes após discutir com o pai da vítima. A Polícia Civil a investiga por tentativa de homicídio. A Justiça decretou a prisão preventiva da mulher.