Roberta Dias: audiência para ouvir testemunhas e réus é marcada para 27 de julho

Resultado da perícia comprova materialidade do homicídio e pode ser decisivo na sessão do Judiciário

O Tribunal de Justiça (TJ) de Alagoas confirmou, para o próximo dia 27 de julho, a audiência de instrução no processo que apura as circunstâncias da morte da estudante de Penedo, Roberta Dias, ocorrido em 2012. Na sessão, serão ouvidas testemunhas do caso e os dois réus denunciados pelo Ministério Público de Alagoas (MPAL).

Como a Perícia Oficial confirmou que a ossada encontrada no Pontal do Peba, em Piaçabuçu, era da jovem, a audiência, agora, conta com um novo ingrediente importante e decisivo para o desfecho de um dos episódios mais emblemáticos dos últimos anos.

Os acusados do crime são Mary Jane Araújo Santos e Karlo Bruno Pereira Tavares, conhecido pelo apelido de ‘Bruninho’. Eles foram apontados, ainda no inquérito policial, como sendo os responsáveis pelo desaparecimento e a morte de Roberta Dias.

A dupla responderia, inicialmente em liberdade, pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, ocultação de cadáver e aborto provocado por terceiros. A Justiça indeferiu o pedido de prisão preventiva feito pelos delegados que conduziram o inquérito policial.

Soltos, agora eles serão ouvidos pelo juiz Nelson Fernando de Medeiros Martins, que responde pela 4ª Vara de Penedo, onde a audiência de instrução do processo será realizada. Há possibilidade de eles já saírem presos após a sessão, caso o magistrado assim julgue necessário.

Um terceiro acusado, com quem Roberta teria um relacionamento, não foi denunciado pelo MP, porque, à época do crime, tinha menos de 18 anos e foi apresentado à Vara da Infância e da Juventude.

O delegado Fernando José Lins Lustosa, titular da Delegacia Regional de Penedo, informou que não cabe mais à Polícia Civil (PC) ingressar com representação contra os réus, levando-se em consideração que o inquérito já foi concluído, o processo tramita no Judiciário e está na fase de instrução. Caberia ao MPAL analisar esta possibilidade, mas a assessoria de imprensa do órgão ministerial não confirma a hipótese.

Lustosa disse que foi informado nessa quarta-feira (14) do laudo da perícia. E informou que vai encaminhá-lo, imediatamente, à 4ª Vara. “Agora, temos a materialidade confirmada do crime, e o MP terá todos os elementos para dar continuidade ao processo judicial”, destacou a autoridade policial.

ENTENDA O CASO

Roberta Dias desapareceu em 2012, após sair de casa para fazer acompanhamento pré-natal em um posto de saúde, em Penedo. Ela tinha 18 anos quando sumiu. As investigações apontaram que o sumiço estava relacionado à gravidez da jovem.

Ela queria, segundo a polícia, que o companheiro assumisse a paternidade da criança, mas a família dele seria contra. O inquérito policial concluiu, à época, que a mãe do adolescente, Mary Jane, teria sido responsável por encomendar o desaparecimento da mãe do futuro neto.

O caso teve uma reviravolta com a divulgação de um áudio em que Karlo Bruno confessava e dava detalhes de como assassinou Roberta Dias e escondeu o corpo, com a ajuda do pai da criança que ela esperava.