Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > JUSTIÇA

Justiça condena acusado de estuprar enteada por anos em S. M. Campos

Em razão da violência sofrida, menina passou a demonstrar sentimento de tristeza, chegando a se automutilar


				
					Justiça condena acusado de estuprar enteada por anos em S. M. Campos
Justiça condena acusado de estuprar enteada por anos em S. M. Campos. Arquivo

O juiz Darlan Soares Souza, da Comarca de Passo de Camaragibe, condenou a 49 anos, três meses e três dias um acusado de estuprar por anos a enteada no município de São Miguel dos Milagres. A pena deverá ser cumprida em regime inicialmente fechado.

A denúncia do Ministério Público de Alagoas (MPAL) foi recebida pelo magistrado em agosto do ano passado e logo foi determinada a prisão preventiva do acusado.

Leia também

O juiz Darlan Soares destacou que, em crimes sexuais, na maioria das vezes praticados às escondidas, a palavra da vítima é de fundamental importância, conforme vem amplamente decidindo a jurisprudência pátria.

“No que tange à versão do acusado, de que não teria ocorrido conjunção carnal e de que nunca teria tocado na vítima, pontuo os registros dos depoimentos da ofendida, tanto na fase inquisitorial quanto em juízo, que denotam o trauma e a dificuldade em narrar os abusos, em nada demonstrando se tratar de um relacionamento entre pai e filha”, disse.

Entenda o caso

De acordo com os autos, a mãe da vítima se casou com o acusado quando a criança tinha 10 anos. Com o passar do tempo e com a mudança corporal da menina, o comportamento do homem mudou, passando a impedi-la de sair com amigas e a interferir nas roupas que ela usava.

Os estupros iniciaram com toques no corpo da vítima, inclusive nas partes íntimas, até que, aos 13 anos, o acusado forçou a conjunção carnal. Em razão da violência sofrida ao longo dos anos, a menina passou a demonstrar sentimento de tristeza, chegando a praticar ato de automutilação em suas pernas e braços.

Ao ser indagada pela mãe sobre o que estava acontecendo, a vítima não tinha coragem de revelar os crimes sexuais que estava sofrendo.

Em seu depoimento, a menina contou que, quando sua mãe passou sete dias internada para tratamento de saúde, acompanhada de um dos seus irmãos, ela viveu os piores dias da sua vida, pois o acusado teria abusado ainda mais dela, agredindo-a e ameaçando matar as pessoas que ela amava.

Já com 16 anos, a enteada fugiu de casa para morar com o namorado que a conhecia desde criança, mas que não sabia dos abusos que ela sofria. A adolescente só teve coragem de revelar toda a história para a mãe quando a genitora a pediu para voltar para casa.

Ainda segundo o processo, o acusado não se conformava com o fato de a adolescente ter saído de casa e estava ameaçando matá-la e esquartejá-la à porta da escola. O réu também teria ameaçado matar sua companheira, mãe da vítima, para que ela levasse a menina de volta para casa.

*Com assessoria

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Relacionadas