IMA interdita armazém de palhas GranBio após terceiro incêndio em dois meses

Empresa havia sido multada em R$ 570 mil por descumprir recomendações de prevenção a incêndios

O Instituto do Meio Ambiente (IMA) interditou, nesta segunda-feira (4), o Centro de Distribuição de Palhas da empresa de biomassa GranBio, em São Miguel dos Campos, após o terceiro incêndio registrado no local em menos de três meses. 
Os fiscais decidiram pela interdição após avaliarem os prejuízos ambientais provocados pelos seguidos incêndios. Antes, a empresa havia sido multada em R$ 570 mil por não conseguir evitar a propagação das chamas.
Na manhã desta segunda-feira, bombeiros civis tentavam controlar pequenos focos de fogo que tiveram início nesse domingo e faziam o resfriamento da biomassa. Na entrada do local era possível observar que havia bastante fumaça.
A principal hipótese para o incêndio é de que ele tenha sido decorrente da queimada de cana-de-açúcar na região.
O IMA informou só será permitido o acesso de máquinas. "Não serão permitidas que palhas de cana sejam depositadas ou saiam do local até que tudo seja esclarecido", explicou o técnico do Instituto Genival Pulcino da Silva.
No domingo (3), a GranBio enviou nota, na qual informava que as chamas tiveram início na noite do último sábado (2), em uma das pilhas do Centro de Distribuição, em São Miguel dos Campos, e que ninguém se feriu. Nesta segunda, a empresa enviou uma nova nota, e afirma que não irá mais utilizar o armazém afetado. "A GranBio irá providenciar um novo espaço de armazenamento tão logo volte a colher palha, o que deve ocorrer nas próximas semanas. A empresa esclarece ainda que a medida não suspende a retirada de matéria-prima do local. Ou seja, a palha continuará a abastecer a Bioflex, que segue em atividade", afirma a nota.

Fumaça proveniente do incêndio era possível ser vista de longe - Foto: FOTO: Fillipe Lima - Gazetaweb

O gerente de matérias primas da empresa, Sérgio Godoy, informou que a GranBio deixará de utilizar o espaço temporariamente e que não descarta nenhuma hipótese para o início das chamas: desde o clima seco até incêndio criminoso.

Gerente de matérias primas da GranBio, Sérgio Godoy - Foto: FOTO: Larissa Bastos