IMA calcula nova multa para a GranBio após registro de 3º incêndio

Empresa de biomassa situada em São Miguel dos Campos já foi multada em cerca de R$ 500 mil

A empresa de biomassa GranBio é mais uma vez alvo do Instituto do Meio Ambiente (IMA). O órgão vai estipular uma nova multa devido ao terceiro incêndio que atingiu grande parte das palhas de cana estocadas no centro de distribuição. Até o momento, a empresa já foi multada em cerca de R$ 500 mil em decorrência dos demais incêndios ocorridos nos meses de novembro e dezembro, de 2015. 
De acordo com o gerente de Monitoramento e Fiscalização do IMA, Erni Ferreira, o órgão ainda calcula o novo valor da multa por reincidência. A empresa, segundo o IMA, não atendeu a três exigências desde quando o centro foi instalado no local, como também a não emissão de poluentes. A empresa também é apontado como responsável pela destruição de vegetação. Segundo o órgão, também não foram atendidas outras 12 recomendações do Instituto. 
Por esta razão, reforça o IMA, o espaço de armazenamento das palhas só será reaberto quando forem atendidas essas condições. "É preciso que a GranBio se adeque à estrutura ou implante o centro em outro local. Uma empresa como esta tem que ficar longe de rodovias e de vegetação, e as pilhas de palhas têm que ficar em uma distância de trinta metros uma das das outras", disse o gerente. 
Interdição
O Instituto do Meio Ambiente interditou, nessa segunda (4), o Centro de Distribuição de Palhas. Os fiscais decidiram pela interdição após avaliarem os prejuízos ambientais provocados pelos incêndios. 
Ainda na manhã de hoje, bombeiros tentavam controlar pequenos focos de fogo que tiveram início no domingo e faziam o resfriamento da biomassa. Na entrada do local, era possível observar que havia bastante fumaça. A principal hipótese para o incêndio é de que ele tenha sido decorrente da queimada de cana-de-açúcar na região.
No domingo, a GranBio enviou nota, na qual informava que as chamas tiveram início na noite do sábado (2), e que medidas iriam ser tomadas pela empresa. "A GranBio irá providenciar um novo espaço de armazenamento tão logo volte a colher palha, o que deve ocorrer nas próximas semanas. A empresa esclarece ainda que a medida não suspende a retirada de matéria-prima do local. Ou seja, a palha continuará a abastecer a Bioflex, que segue em atividade", afirma a nota.