Vítima de atentado em Paulo Jacinto diz que suspeitos efetuaram 15 disparos: "foram horas de terror"

Em vídeo nas redes sociais, Lérida Lobo informou que os tiros foram feitos de uma pistola .40

Em publicação nas redes sociais, a médica veterinária e pré-candidata a deputada federal Lérida Lobo, que sofreu um atentado em Paulo Jacinto, no interior de Alagoas, no início de agosto, lembrou do crime e informou que os suspeitos teriam efetuado pelo menos 15 disparos de arma de fogo. José Adilson, esposo da vítima, morreu na cena do atentado.

Segundo Lérida, os tiros foram feitos de uma pistola .40. Foram horas e terror, que eu acho que é um filme que nunca vai conseguir sair da minha cabeça. Até agora eu tô tentando entender o tamanho de tanta violência", disse.

No vídeo publicado nas redes sociais, ela ainda agradeceu os profissionais de saúde que a atenderam e frisou que todos os especialistas disseram que a sua sobrevivência foi um milagre.

A Polícia Civil de Alagoas (PC/AL) investigou o caso e descartou motivação política para o atentado, tendo como a principal linha de investigação o crime de vingança. Dois suspeitos do atentado morreram durante troca de tiros com a polícia e um terceiro, que teria alugado o carro utilizado no crime, foi preso.

"Trata-se de crime de ódio, de vingança, uma vez que eles suspeitavam que o casal tinha participação no homicídio contra o pai deles, o que não foi comprovado. Eles já haviam tomado nota da rotina das vítimas e planejaram o crime”, informou, à época, o delegado Thales Araújo.

Durante as investigações, duas armas que estavam com os suspeitos mortos foram apreendidas. O carro utilizado no crime também foi recuperado.