Pressionada por críticas e crise de desabastecimento, Arsal decide cancelar faturas emitidas pela BRK a usuários atingidos

Cancelamento das faturas ocorre após mais de 30 dias de falta de água na parte alta de Maceió

Pressionada por críticas em decorrência do desabastecimento na parte alta de Maceió, a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas (Arsal) decidiu pelo cancelamento das faturas da BRK Ambiental nas residências que estão sendo afetadas pelo desabastecimento. A medida ocorre nesta quarta-feira (24) depois de mais de 30 dias da crise hídrica. Além disso, a decisão acontece dias depois do prefeito de Maceió, JHC, e parlamentares estaduais criticarem a concessão realizada entre o Governo do Estado com a empresa, que atualmente opera no abastecimento de água na capital.


A suspensão deve ocorrer com os pagamentos efetuados a partir de outubro de 2021, até que o serviço seja normalizado. O desabastecimento afetou parcialmente a região atendida pelo Sistema Aviação. Já os conjuntos Santa Maria, Aprígio Vilela e Eustáquio Gomes tiveram impacto direto com a paralisação e estão há mais de 30 dias, ininterruptos, com deficiência no abastecimento de água.

Os consumidores que já efetuaram o pagamento de qualquer período citado deverão ser ressarcidos pela BRK Ambiental.

Em nota, a BRK Ambiental informou que seguirá todas as determinações, incluindo o ressarcimento do morador que tenha efetuado pagamento a partir de outubro de 2021.

Confira nota na íntegra

A BRK informa que a suspensão das faturas de água nestes residenciais já tinha sido adotada pela empresa em caráter temporário até a decisão oficial da Arsal sobre o tema, que foi debatido em reunião junto à agência reguladora, ao gerenciamento de crise da Polícia Militar e às lideranças comunitárias.

A BRK reforça que seguirá todas as determinações da Arsal e que, caso algum morador dos Conjuntos Eustáquio Gomes, Santa Maria e Aprígio Vilela já tenha efetuado o pagamento de alguma fatura a partir do ciclo de outubro/21, a empresa garantirá ao cliente o ressarcimento do valor pago.

A concessionária, responsável pela distribuição de água em Maceió, tem prestado todo o apoio à Casal para resolver a situação emergencial ocasionada pelo rompimento da adutora do Sistema Aviação e assumiu a engenharia e os investimentos da obra de reparo da tubulação. A previsão é que os trabalhos, já iniciados no local, sejam concluídos até a segunda quinzena de dezembro.

Até que o sistema volte a entregar o volume de água suficiente para a distribuição à população, a BRK segue com o envio de caminhões-pipa para garantir o funcionamento das unidades de serviços essenciais e disponibilização de caixas d’água comunitárias, que são abastecidas diariamente.

Concessão é criticada por parlamentares

O desabastecimento de água na região da parte alta tem sido alvo de críticas. Além do prefeito de Maceió, que chegou a enviar caminhões-pipas para amenizar a falta de água para aquela população, parlamentares da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE-AL) também se posicionaram sobre o assunto.

O deputado Davi Maia (DEM) acusou o governador de Alagoas, na manhã desta quarta-feira (24), de apresentar argumentos falsos em recurso de embargo de declaração no processo referente à divisão dos valores da outorga do serviço de água e esgoto da Região Metropolitana (concedida à BRK Ambiental), em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF). Para o parlamentar, Renan Filho (MDB) tenta ludibriar a Corte.

A petição, acostada na semana passada, foi preparada pelo chefe do Executivo e, por questões formais, está assinada pelo procurador do Estado Gentil Ferreira de Souza Neto. E, por causa dessa assinatura, Davi Maia informou, durante a sessão plenária, que protocolou requerimento à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) para convocação do referido procurador. A intenção é buscar esclarecimentos acerca das alegações apresentadas nos autos.

*Com Assessoria