Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > GERAL

Oposição apresenta pedido na Justiça para barrar novo leilão do arroz

Petição é assinada pelos deputados federais Marcel Vam Hatten, Lucas Redecker e pelo deputado estadual Felipe Camozzat


				
					Oposição apresenta pedido na Justiça para barrar novo leilão do arroz
A petição é assinada pelos deputados federais Marcel Vam Hatten (Novo), Lucas Redecker (PSDB) e pelo deputado estadual Felipe Camozzato (Novo), todos gaúchos. Andrew Biraj/Reuters

A oposição protocolou, na manhã desta quinta-feira (13), um pedido na Justiça Federal do Rio Grande do Sul para barrar o já anunciado novo leilão de arroz importado por parte do governo federal.

A petição é assinada pelos deputados federais Marcel Vam Hatten (Novo), Lucas Redecker (PSDB) e pelo deputado estadual Felipe Camozzato (Novo), todos gaúchos.

Leia também

Eles pedem que seja impedida “a edição de qualquer outro aviso de leilão editado pela CONAB até que ocorra a alteração no estado de coisas (falta de risco de desabastecimento de arroz para o consumo nacional), cuja demonstração deva ser feita mediante estudos técnicos com a participação de entidades privadas e públicas representativas do setor agrícola do Estado do Rio Grande do Sul”.

Além disso, que seja estabelecido “que, até o trânsito em julgado, a UNIÃO FEDERAL e a CONAB somente possam realizar leilão público de aquisição de arroz beneficiado importado (…) caso demonstrado, em estudos técnicos produzidos em diálogo com entidades públicas e privadas representativas dos setores produtivos de agricultura do Rio Grande do Sul, o risco de desabastecimento de arroz para consumo no mercado nacional em razão da catástrofe ocorrida no Estado do Rio Grande do Sul em 2024.”

O leilão foi cancelado semana pelo governo após denúncias de irregularidades envolvendo as empresas que venceram o leilão.

A CNN mostrou, por exemplo, que os empresários ligados a Wisley A. de Souza, maior arrematante individual no agora cancelado leilão, davam informações contraditórias sobre a constituição societária da empresa.

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, caiu após o anúncio do cancelamento.

Um dos seus ex-assessores atuou na corretagem de uma das empresas vitoriosas.

A CNN procurou o presidente da Conab, Edegar Prietto, mas ele não se manifestou.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X