IC identifica corpo carbonizados de vítimas de acidente de trânsito na Barra de São Miguel

Devido ao estado de carbonização dos corpos, foram necessárias técnicas específicas para a extração de material genético

O Laboratório de Genética Forense do Instituto de Criminalística (IC) do Estado identificou a tia e a sobrinha que morreram carbonizadas em um acidente de trânsito na Rodovia Estadual AL-101 Sul, na Barra de São Miguel, no dia 8 de maio.

Devido ao estado de carbonização dos corpos, foram necessárias técnicas específicas para a extração de material genético dos dois corpos carbonizados para realização dos exames de DNA Forense.

Para fazer o exame, a perita criminal Carmélia Miranda recebeu do órgão três unidades dentárias retiradas do cadáver não identificado adulto, carbonizado, para comparar com o DNA da filha menor de idade. No caso do cadáver infantil, recebeu um fragmento ósseo de mandíbula e três unidades dentárias retiradas do cadáver para serem comparados com o DNA da mãe, Graziele dos Santos Silva, sobrevivente do mesmo acidente.

“O exame de DNA confirmou que o corpo adulto era da jovem Maria Damiana Teles dos Santos, de 28 anos, e o outro corpo era da criança Lorenah Gabriella dos Santos da Silva, de apenas 01 ano. Os laudos já foram encaminhados para os órgãos competentes e, a partir desses resultados, as famílias poderão solicitar a declaração de óbito no IML para emitir a certidão de óbito no cartório”, explicou Carmélia Miranda.

Os dois corpos haviam sido liberados do IML de Maceió para sepultamento por ordem judicial expedida pela juíza de Direito Amine Mafra, com base no parecer do representante do Ministério Público Estadual e diante das evidências apresentadas pelos familiares. Mas na mesma decisão, a magistrada decidiu que as declarações de óbitos só seriam emitidas e entregues aos familiares, após a conclusão do exame de DNA.

Relembre o caso

O acidente aconteceu no dia 8 de maio, em um trecho da AL-101 Sul. Dados preliminares da perícia criminal apontaram excesso de velocidade de um dos veículos envolvidos no acidente. Segundo o perito Edson Junior, o veículo Golf estava desenvolvendo uma velocidade acima de 145 km/h, quando colidiu na traseira do Uno, ocasionando a perda de controle e o capotamento de ambos os veículos.

Três pessoas de uma mesma família que estavam no veículo Uno morreram carbonizadas no local. O corpo do motorista do veículo Fiat Uno, Marcos Antônio Silva dos Santos, já havia sido identificado pela necropapiloscopia e liberado normalmente para sepultamento, com a declaração de óbito.

*Com assessoria