Fernando Rufino conquista medalha de ouro no VL2; Giovane é prata no VL3

Brasileiro conquista a segunda medalha paralímpica do país na modalidade, e dupla ainda tem chance na final do VL3, nesta sexta-feira

Fernando Rufino é campeão paralímpico na categoria VL2 da canoagem de velocidade das Paralimpíadas de Tóquio. Com tempo de 53,077s, o brasileiro venceu a decisão, seguido por Steven Haxton (EUA) e Norberto Mourão (POR). O também brasileiro Luis Carlos Cardoso terminou na 7ª posição.

Quem também fez bonito foi Giovane Vieira da Paula, que conquistou a prata na final do VL3. O ouro foi do australiano, e grande favorito, Curtis McGrath. Stuart Wood, da Grã-Bretanha, completou o pódio.

O caubói largou na raia 4, por ter feito o melhor tempo da primeira fase, mas do lado tinha o americano Steven Haxton que bateu o melhor tempo paralímpico (que era do brasileiro) na semifinal. Mas não deu chances aos rivais, com excelente largada, Rufino já abriu vantagem logo nos primeiros metros.

Dali para frente, só ampliou a diferença e venceu com o melhor tempo paralímpico. Fernando garantiu a 21ª medalha de ouro do Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio, isso porque Thiago Paulino perdeu o título do arremesso de peso F57 na revisão.

Fernando Rufino estreia nos Jogos Paralímpicos, depois de ficar fora da Rio-2016 por conta de um problema cardíaco, mas chegou como um dos favoritos à Tóquio. Após ficar apenas com a quinta colocação na decisão do KL2, fez bonito no VL2 e não deu chance aos rivais.

Conhecido como caubói, Rufino é atual campeão mundial tanto do KL2 quanto do VL2, títulos que renderam a ele a vaga para disputar as Paralimpíadas. Antes do problema cardíaco, que o tirou dos Jogos do Rio, Fernando sobreviveu a um acidente de trânsito e também a ser atingido por um raio.

Giovane Vieira é prata

Além de Fernando Rufino, outros dois brasileiros entraram para a final no Va'a, mas na categoria VL3. Giovane Vieira fez uma provaça e garantiu a medalha de prata, atrás apenas do australiano Curtis McGrath.

Caio Carvalho e Giovane Vieira fizeram os dois melhores tempos da semifinal, depois de não conseguirem vencer suas respectivas baterias na primeira rodada. Com o segundo e o terceiro melhores tempos da semi, a dupla avançou à disputa de medalha.

Na decisão, tinha pela frente um confronto muito duro em Curtis McGrath (AUS), o grande favorito da categoria. E o australiano provou isso na bateria, depois de começar atrás, assumiu a ponta no meio e foi até o fim. Dono do melhor tempo da semi, Stuart Wood ficou com o bronze.

Giovane, por outro lado, fez excelente largada e desde o começo da prova esteve sempre entre os três primeiros. Depois de uma grande semifinal, Vieira soube manter o ritmo e garantir a segunda posição. Bronze em 2016, Caio ficou com a 7ª posição.