Brasil perde para Suécia e terá jogo decisivo no handebol feminino

Seleção brasileira sofre segunda derrota nas Olimpíadas de Tóquio 2020 e vai disputar contra França, atual vice-campeã olímpica, uma vaga nas quartas de final

O handebol feminino do Brasil perdeu para a Suécia, neste sábado, e está em situação delicada nas Olimpíadas de Tóquio 2020. Após apagão de 11 minutos no fim do primeiro tempo, a seleção brasileira reagiu, mas sofreu a derrota por 34 a 31, a segunda da equipe na competição. As Leoas continuam com 3 pontos no grupo B, mas ainda têm chance de passar para as quartas de final. Na última rodada, a seleção encara a França, atual vice-campeã olímpica, neste domingo, às 23h (horário de Brasília).

Na estreia, o Brasil empatou com as russas, atuais campeãs olímpicas. Depois, derrotou a Hungria e perdeu para a Espanha, antes da derrota deste sábado para a Suécia. A seleção brasileira e a França estão com os mesmos 3 pontos e estão atrás da líder Suécia (7 pontos), do Comitê Olímpico Russo (5) e da Espanha (4), que joga ainda neste sábado contra a lanterna Hungria (0). As Leoas ocupam a quarta colocação do grupo B, à frente das francesas devido ao saldo de gols maior (-1 contra -3).

Campeã mundial em 2013, a seleção brasileira feminina iniciou um processo de renovação depois das Olimpíadas do Rio 2016, quando foi eliminada nas quartas de final pela Holanda. De lá para cá, o país somou resultados ruins nos dois Mundiais disputados (2017 e 2019), sequer passando da fase de grupos em ambas as edições.

O Jogo

Dada a tensão do jogo, ambos os times demoraram para encaixar os ataques. De longe, Ana Paula abriu o placar só aos 3 minutos. A seleção manteve a vantagem mínima durante as suspensões de Duda e de Lundström (5 x 4) e começou a se distanciar com Alexandra se destacando nas conversões do tiro de sete metros e com a construção de jogadas com muita rapidez (12 x 8). O Brasil chegou a 13 x 9 aos 19 minutos, e então a balança virou. As suecas aproveitaram o retorno lento das Leoas e passaram à frente aos 24 (13 x 14), Lundsen pegou dois sete metros, e as brasileiras foram para o vestiário em desvantagem, após sofrerem seis gols em sequência (13 x 15).

Renata assumiu a meta no lugar de Babi no retorno do intervalo. E o Brasil voltou ainda sem concentração, tanto que, em quatro minutos, a Suécia abriu cinco de frente (19 x 14).

O martírio brasileiro perdurou até a metade do segundo tempo, quando Babi entrou só para pegar um tiro de sete metros de Hagman e abrir caminho para uma reação. Aos 17, Renata fez uma boa defesa e lançou direto para o gol adversário, fazendo o Brasil encostar no placar (22 x 23) quando havia a superioridade numérica. E aos 22, Ana Paula empatou o jogo (25 x 25), minutos depois de Tamires sair de quadra machucada. Com afobação no ataque, a seleção permitiu a Suécia ter três gols de vantagem (27 x 30) faltando cinco minutos de partida e não conseguiu mais igualar o marcador: 31 x 34.