Contraproposta de estafe de Dodi é cerca de três vezes maior que oferta do Flu

Confira detalhes da proposta apresentada pelos representantes do volante ao clube

A contraproposta apresentada pelo estafe de Dodi ao Fluminense é cerca de três vezes maior que a última oferta feita pelo clube para a renovação do contrato do volante, que termina no fim deste ano.
Após noticiar que os representantes do jogador almejam um contrato de 4 anos, o ge apurou mais detalhes da pedida com uma pessoa envolvida na negociação: salários de R$ 270 mil e luvas de R$ 2 milhões.
A terceira e mais recente proposta da diretoria tricolor havia sido de um contrato de três anos, com salários de R$ 100 mil no primeiro ano, R$ 110 mil no segundo e R$ 130 mil no terceiro, além de R$ 600 mil em luvas. Atualmente, Dodi recebe R$ 70 mil mensais.
No total, a proposta do Fluminense é de R$ 5.020.000,00 em três anos de contrato. A contraproposta de Dodi, por sua vez, totaliza R$ 16.040.000,00 ao longo de quatro anos (não estão sendo considerados os encargos na contagem).
O ge apurou que ainda não houve resposta por parte do Fluminense ao estafe do jogador de 24 anos. A reportagem pediu uma posição oficial do clube, que informou que não se manifestará sobre propostas e valores.
A contraproposta foi passada ao Fluminense na última segunda-feira, em conversas entre Tadeu Cruz, um dos três representantes do atleta, e o presidente do clube, Mário Bitencourt. Dodi tem outros dois representante. O principal deles é Carlos Escuro, que tem liderado as negociações que começaram no início do 2º semestre, e Márcio Bittencourt, sócio com participação no jogador.