Hamilton faz estoque de peças e terá que largar do fim do grid na Bélgica

Mercedes aproveita circuito de Spa e substitui itens do carro do inglês, que já acumula 30 posições perdidas em punições

Após os problemas enfrentados no começo da temporada, Lewis Hamilton sabia que uma hora ou outra extrapolaria o limite das peças da unidade de potência estabelecido pelo regulamento técnico da Fórmula 1. E o piloto, em conjunto com a Mercedes, escolheu o GP da Bélgica para levar a punição. Com as trocas realizadas na manhã de sexta-feira, o britânico já acumula uma punição de 30 posições no grid deste domingo. A decisão é estratégica. Eles acreditam que em Spa-Francorchamps, circuito com muitos pontos de ultrapassagem, o britânico tenha mais chances de minimizar o prejuízo de largar das últimas posições. Hamilton foi o segundo no 1º treino livre e o 13º na segunda sessão do dia.
Desde 2015, o regulamento da F1 estabelece que cada piloto tem direito a usar, ao longo da temporada, cinco unidades de cada componente que forma a unidade de potência (MGU-H, MGU-K, bateria, turbo, motor a combustão e central eletrônica). A partir do momento que o piloto extrapola este número, ele é automaticamente punido com 10 posições no grid, perdendo mais cinco a cada outro item utilizado pela sexta vez. A penalidade se repete caso ele utilize a sétima unidade e assim por diante.

Pouco antes do 1º treino livre desta manhã, a Mercedes instalou o sexto MGU-H e o sexto turbocompressor do ano no carro de Hamilton, ocorrendo em uma punição de 15 posições no grid. Além disso, o piloto utilizou o quinto motor de combustão e o quinto MGU-K e sofrerá mais punição caso substitua tais itens.

Entre a primeira e a segunda sessão, a Mercedes voltou a colocar novos MGU-H e turbocompressores, as sétimas unidades de cada peça, fazendo a penalidade chegar a 30 posições. A substituição dupla tem como objetivo fazer estoque de peças para o restante da temporada, visto que Hamilton, independentemente do número de posições perdidas, só poderá pagar no máximo 21, em razão do número de carros do grid.

Mas apesar da punição de 30 posições, Hamilton não deve largar em último. Isso porque Fernando Alonso tem uma penalidade de 35 colocações a cumprir. O espanhol trocou a unidade de potência inteira: motor de combustão, MGU-H, MGU-K, turbo, controles eletrônicos e bateria. Outro punido na Bélgica é Marcus Ericsson. O companheiro de Felipe Nasr na Sauber utilizou o sexto turbocompressor da temporada e terá de pagar uma penalidade de 10 posições.

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p