Djokovic se diz 'extremamente desapontado' após deportação da Austrália

Fora do Australian Open, Djokovic, dono de 20 títulos de Grand Slam, não terá a oportunidade de alcançar o recorde de 21 troféus

Deportado da Austrália após ter seu visto cancelado pela segunda vez, o tenista sérvio Novak Djokovic se disse desapontado com a decisão da Corte Federal australiana em não permitir a sua participação no Australian Open.

A deportação de Djokovic ocorreu na madrugada deste domingo (16). O atleta deixou Melbourne em um voo rumo a Dubai.

"Estou extremamente desapontado com a decisão do Tribunal de rejeitar meu recurso contra a decisão do Ministro da Imigração de cancelar meu visto, o que significa que não posso ficar na Austrália e não poderei participar do Australian Open", disse o sérvio, em comunicado emitido depois de receber a ordem de deportação.

"Me incomoda que a atenção tenha se concentrado tanto em mim nestas últimas semanas, e espero que agora todos possamos nos concentrar no jogo e no torneio que eu amo. Gostaria de desejar boa sorte aos jogadores, aos responsáveis pelo torneio, aos funcionários, aos voluntários e aos espectadores do torneio."

Fora do Australian Open, Djokovic, dono de 20 títulos de Grand Slam, não terá a oportunidade de alcançar o recorde de 21 troféus. Quem terá essa chance é o espanhol Rafael Nadal, empatado com o sérvio em número de conquistas e, devidamente vacinado, participará do torneio.

Roger Federer, outro que possui 20 taças em torneios de Grand Slam, perderá a competição australiana por conta de lesão.