Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Defesa do CRB chega a 14 gols sofridos nas últimas 10 partidas da temporada

Área defensiva do Galo da Praia tem sido alvo de críticas por parte da torcida

O CRB perdeu mais uma na Série B e, dessa vez, foi uma derrota feia. O clube regatiano visitou o Novorizontino, nessa quarta-feira (4), e acabou levando um acachapante 3 a 1, de virada. Com mais esse revés e a lanterna da Série B garantida, as críticas para a defesa da equipe foram escancaradas novamente.

No primeiro gol do Novo, uma saída errada do zagueiro Gum fez a torcida chiar. Para piorar, já no segundo tempo, o zagueiro Iago Mendonça acabou marcando um gol contra, que fechou o caixão para as críticas ficarem fervendo. E não é para menos. Nos últimos dez jogos do Galo, a equipe sofreu 14 gols. Uma média de 1,4 gol sofrido por jogo.

Leia também

O clube regatiano sofreu gols em seus últimos cinco jogos, inclusive, todos na Série B do Campeonato Brasileiro. Na última posição do Nacional, o CRB já acumula nove gols sofridos e tem a pior defesa da competição, ao lado do Londrina.


				
					Defesa do CRB chega a 14 gols sofridos nas últimas 10 partidas da temporada
Galo da Praia tem a pior defesa da Série B até o momento. Ailton Cruz

E isso, aparentemente, tem justificativa. Já na Série B de 2022, a equipe não conseguiu usar sua dupla de zaga titular em nenhuma das partidas. Desde a lesão de Gilvan, na 2ª rodada, contra o Vasco, Gum tem jogado ao lado do jovem Iago Mendonça. A exceção foi justamente contra o Novorizontino, quando Wellington Carvalho iniciou entre os titulares.

Porém, antes mesmo do início da Segundona, o time já tinha problemas. Dos últimos dez jogos citados, apenas em dois a equipe não sofreu gols. Contra o CSA, na semifinal do Alagoano, e o contra o ASA, na finalíssima em Arapiraca. Excluindo esses, foram gols sofridos contra Sport (3), CSA (1), ASA (1), Vasco (1), Ponte Preta (1), Náutico (2), Grêmio (2) e Novorizontino (3).

Vale ressaltar que em apenas cinco jogos da Série B o CRB igualou o número de gols sofridos no Campeonato Alagoano inteiro, sendo que no Estadual fez 11 partidas, mais que o dobro.

Gum tem sido um dos criticados. Além de ter falhado contra o Novorizontino, o zagueiro ficou marcado após ter cometido um pênalti contra o Náutico. Na ocasião, a penalidade abriu margem para virar o confronto com o Galo.


				
					Defesa do CRB chega a 14 gols sofridos nas últimas 10 partidas da temporada
Reginaldo tem disputa constante com Raul Prata na lateral direita. Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

Lateral direita

Não é só a zaga que tem convivido com um grave problema, mas também as laterais. Marcelo Cabo, até o momento, tem apostado em uma alternância pelo lado direito da defesa. Raul Prata e Reginaldo têm sido titulares de forma intercalada, contudo, em alguns embates, Cabo acabou acionando os dois jogadores, sendo que Reginaldo costumava fazer uma função mais adiantada.

As únicas posições que têm seus titulares quase incontestáveis são a lateral esquerda, onde Guilherme Romão tem dominado, e o gol, com Diogo Silva. Porém, nem a escalação do goleiro tem sido unânime entre os torcedores.

Explicações

Em entrevista coletiva após o jogo, o técnico Marcelo Cabo deu algumas explicações, como a escalação de Raul Prata mais à frente e da saída de Wellington Carvalho. Na situação de Raul, Cabo queria ele fazendo dupla com Reginaldo, e até elogiou o desempenho.

"Eu não gostaria de ter mexido em muitas peças, eu só trouxe o Raul por dentro para fazer um 4-1-4-1, dentro da leitura que a gente fez do Novorizontino. Então, ele fazer aquele corredor direito por dentro, junto com o Reginaldo, acho que nos primeiros 15 minutos funcionou bem, mas depois do gol a gente abaixou muito as linhas".

Já para Wellington, o treinador se preocupou com a questão física, além do fato de o zagueiro estar pendurado com o cartão amarelo.

"A questão da entrada do Iago no [lugar de] Wellington, pelo fato de Wellington não vir jogando constantemente, eu optei em tirar, para que a dupla de zaga suportasse até o final e ainda tinha o receio do Wellington sentir a falta de ritmo", contou.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas

X