Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > esportes > ALAGOANO

Após confirmar renovação, meia Didira fala de sua trajetória no CSA

Jogador destaca conquista pessoal e mira o futuro, mas sem esquecer o passado

A diretoria do CSA segue no trabalho de renovação de contrato dos jogadores que fizeram parte do elenco em 2017. Treze renovações já ocorreram, entre elas, a do meia Didira. Ainda há 12 pendências, sendo cinco titulares e sete reservas.

E Didira foi o último a renovar contrato para 2018, que terá quatro disputas para o CSA: Campeonato Alagoano, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro da Série B.

Leia também

O meio-campista passa férias em Arapiraca. À Rádio Gazeta, o jogador alagoano falou de sua trajetória no CSA nos dois últimos anos, destacando a atual temporada, que terminou com a conquista da taça do Brasileiro da Série C.

- Esta temporada foi complicada, difícil. Muitas coisas aconteceram, mas, graças à Deus, tudo deu certo no final porque o grupo deste ano é excelente. Por isso é que, no Brasileiro, conquistamos o título da Série C.

Didira também falou de conquista pessoal e de seu surgimento no ASA.

- Ser campeão brasileiro importante para mim porque eu já havia acertado a trave duas vezes. Gostaria também de ter levantado a taça com o ASA, mas, agora, Deus me premiou com esta conquista, que permitiu também fazer história no CSA. Foram dois anos sempre procurando fazer o melhor. E as coisas vêm acontecendo da melhor forma. Somente pelo CSA já cheguei a quatro decisões de título.

Mirar o futuro, mas sem esquecer o passado

E o jogador azulino já começa a mirar a temporada que se avizinha.

- Agora é mirar em 2018, que será mais um ano difícil, de grandes competições. Porém, esperamos mais uma vez fazer um grande trabalho. E olhando para o passado, agradeço ao treinador Leivinha, que foi quem me deu oportunidade no profissional do ASA. Não esqueço as pessoas que me apoiaram no início da minha carreira. Antes de me profissionalizar, atuava na várzea e ganhava R$ 30 para ajudar a sustentar minha família. Hoje, estou feliz no CSA e, agora, é dar oportunidade a este trabalho sério da diretoria azulina.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Tags

CSA

Relacionadas