Dólar

-0,02% R$ 5,40

Euro

0,04% R$ 5,29

BitCoin

-0,04% R$ 104670,42

Ibovespa

2,20% R$ 110036,79

Setor de serviços em AL tem a maior alta do Brasil em 6 meses

O setor de Serviços em Alagoas registrou a sexta maior alta do Brasil no mês de junho deste ano, na comparação com o mesmo mês do ano passado. A alta foi de 12%, enquanto a taxa nacional para o mesmo período foi de 6,3%. As informações são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada nessa quinta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IBGE aponta também que Alagoas registrou a maior alta acumulada nos primeiros seis meses de 2022, com crescimento de 23,6%, enquanto o acumulado nacional é de 8,8%. No acumulado de doze meses a alta aferida em Alagoas é de 25,3%. Em junho de 2022, o volume de serviços no Brasil cresceu 0,7% frente a maio, na série com ajuste sazonal, acumulando, assim, um ganho de 2,2% nos quatro últimos meses deste ano.

Com isso, o setor de serviços se encontra 7,5% acima do nível de fevereiro de 2020 (pré-pandemia) e 3,2% abaixo de novembro de 2014 (ponto mais alto da série). Na série sem ajuste sazonal, no confronto com junho de 2021, o volume de serviços assinalou a 16ª taxa positiva consecutiva ao avançar 6,3% em junho de 2022. No indicador acumulado do primeiro semestre deste ano, o volume de serviços mostrou expansão de 8,8% frente a igual período de 2021.

Por outro lado, o indicador acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 11,7% em maio para 10,5% em junho de 2022, manteve a trajetória descendente iniciada em abril de 2022 (12,8%). O avanço de 0,7% do volume de serviços, de maio para junho de 2022, foi acompanhado por quatro das cinco atividades, com destaque para transportes (0,6%) e profissionais, administrativos e complementares (0,7%), que registraram o segundo resultado positivo consecutivo.

As demais altas vieram de outros serviços (0,8%) e de serviços prestados às famílias (0,6%). A única taxa negativa ficou com informação e comunicação (- 0,2%), que devolve, assim, pequena parte do ganho de 3,3% acumulado entre março e maio deste ano. Regionalmente, dez das 27 unidades da federação tiveram expansão no volume de serviços em junho de 2022, na comparação com o mês imediatamente anterior, acompanhando o avanço (0,7%) observado no Brasil.

Entre os locais em alta, os impactos mais importantes vieram de Rio de Janeiro (2,4%), seguido por Paraná (2,5%), Rio Grande do Sul (2,1%) e São Paulo (0,2%). Em contrapartida, Minas Gerais (- 3,0%) exerceu a principal influência negativa (-3,0%), seguido por Amazonas (-5,1%), Ceará (-3,8%) e Pernambuco (- 2,4%). Na comparação com junho de 2021, o avanço do volume de serviços no Brasil (6,3%) foi acompanhado por 24 das 27 unidades da federação.

A principal contribuição positiva ficou com São Paulo (7,9%), seguido por Rio Grande do Sul (15,3%), Minas Gerais (7,9%) e Paraná (5,3%). Em sentido oposto, o Distrito Federal (-6,9%) assinalou o resultado negativo mais importante do mês, seguido por Rondônia (- 6,2%) e Acre (-11,7%).