Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > ECONOMIA

Reajuste de plano de saúde individual deve ser de 7%

Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) se reuniu na 2ª-feira (13/5) e expectativa é que aumento seja de 7%


				
					Reajuste de plano de saúde individual deve ser de 7%
Reajuste de plano de saúde individual deve ser de 7%. Natalia Gdovskaia/Getty

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) realizou reunião fechada nessa segunda-feira (13/5), para decidir o porcentual do índice de reajuste dos planos individuais, que deve ser o menor em uma década, com exceção da taxa negativa aplicada em 2021, devido a pandemia da Covid. A expectativa é que fique em torno de 7%.

Após a decisão da ANS, o plano de reajuste será encaminhado para o Ministério da Fazenda, para análise, e o órgão terá 15 dias para o retorno.

Leia também

Caso decidido, o índice de reajuste será aplicado entre maio de 2024 e abril de 2025. Embora constituam menos de 20% dos contratos na área da saúde suplementar, os ajustes de planos individuais serão um referencial para os ajustes nos planos coletivos.

"A nova metodologia da ANS reflete a variação dos custos dos individuais, e são um risco às empresas, porque mostra o quanto os reajustes que elas querem aplicar está longe da realidade dos cursos”, informou a coordenadora da Comissão Intersetorial de Saúde Suplementar, Ana Carolina Navarrete.

O modelo de reajuste reflete a variação dos custos médico hospitalares ao longo de um ano, sempre comparando com o dia 31 de dezembro do anterior, segundo Míriam Leitão, de O Globo. O porcentual mais baixo deste ano, em 2023, foi de 9,65%.

As operadoras podem ser pressionadas por mudanças no modelo do reajuste e por revisão técnica dos contratos individuais, como um reajuste extra, além do índice calculado pela agência reguladora para promover o reequilíbrio dos contratos. Sendo válida apenas se caso significa a volta das vendas dos individuais, o que iria beneficiar os consumidores, visto que a maioria das empresas não ofertam essa modalidade.

"Reajuste por revisão técnica é uma frontal violação ao Código de Defesa do Consumidor (CDC). Esta modalidade, aliás, está sendo questionada judicialmente, especialmente porque premia operadoras que tomam más decisões de gestão, com a possibilidade de alterar o preço unilateralmente, a qualquer tempo, em qualquer valor”, destacou Navarrete.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas