Programa Emergencial deve injetar R$ 112 mi na economia de Alagoas

Com menos de um terço do valor disponibilizado pelo BEm em 2020, programa federal deve beneficiar 37,6 mil alagoanos

A prorrogação do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), aprovada na terça-feira (27), após quatro meses de expectativa, deve injetar R$ 112 milhões na economia alagoana, beneficiando 37,6 mil pessoas, conforme informações da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio/AL).

Conforme avaliação do assessor econômico da entidade, Victor Hortencio, os empresários estão sufocados. De acordo ele, a nova rodada do BEm é um alívio para a classe empresarial, pois prevê a possibilidade da volta da redução da jornada de trabalho, o que possibilita, por sua vez, a redução do salário dos colaboradores, e ainda permite a suspensão temporária dos contratos de trabalho, ambas viabilizadas com pagamento de benefício pelo governo federal, por até 120 dias.

Entretanto, o assessor econômico ressalta que a retomada do programa contará com menos de um terço do valor disponibilizado em sua primeira edição, quando formalizou vinte milhões de acordos em todo país, amparada por um montante de R$ 33,5 bilhões. Em Alagoas, à época, a medida movimentou R$ 376 milhões e beneficiou 89,4 mil trabalhadores, com a assinatura de 198 mil contratos, destes, 88% só no segmento de Comércio e Serviços.

Neste ano, contudo, o valor total do recurso é de R$ 9,98 bilhões e tem o objetivo de atender a quatro milhões de brasileiros. Seguindo a lógica de abordagem promovida no ano passado, Hortencio estima que os quatro meses de vigência do novo BEm deve disponibilizar R$ 112 milhões para o estado e beneficiar 37,6 mil alagoanos.

"Apesar de ter havido uma queda de casos de infecção no final do ano, a pandemia não acabou em dezembro. Os empresários estão sufocados, com dificuldade em honrar seus compromissos. Como não há caixa, sentiram muito esse período de espera pelo BEm, mas, apesar do menor alcance, a medida vai ajudar", observou o assessor econômico.