Dólar

-1,39% R$ 4,81

Euro

-0,45% R$ 5,12

BitCoin

-1,17% R$ 146250,25

Ibovespa

0,90% R$ 109460,95

Avanço da Ômicron provoca cancelamentos de viagens e afastamento de trabalhadores em AL

Cerca de 5% dos trabalhadores dos hotéis precisaram se afastar do emprego; ABIH ainda está otimista para o Carnaval 2022

O avanço acelerado da variante Ômicron do coronavírus já está refletindo no turístico em Alagoas. O setor registrou cancelamentos de pacotes de viagens para janeiro e muitos hotéis estão tendo que lidar com o afastamento de trabalhadores adoentados. Apesar deste impacto, o segmento ainda se mantém otimista, levando em consideração que o impacto da Covid-19 ainda é mínimo na atividade turística.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Alagoas (ABIH-AL), André Santos, informou que o número de desistências das hospedagens tem se mantido equilibrado com as reservas feitas para o período. Sem falar que a taxa de ocupação prevista para o Carnaval 2022, no fim de fevereiro, permanece acima de 80%.

“Para o mês que vem, o reflexo é quase nenhum desta nova onda de Covid-19 nos pacotes fechados. Os associados estão animados e preveem um bom período para o turismo, apesar deste grande número de pessoas infectadas”, destacou o presidente.

Ele revela que muitos turistas estão optando por remarcar as reservas e boa parte não avisa qual o motivo da decisão. “Por isso, não consigo dizer, com propriedade, se a atitude tomada por alguns tenha relação direta com a alta de casos de coronavírus”, avalia.

Algo que preocupa, segundo a ABIH, é a quantidade de funcionários dos empreendimentos que precisam se afastar do trabalho por terem sido infectados. Segundo ele, os afastamentos nestes hotéis variam em torno de 5% a 7%, considerado um percentual pequeno no universo dos trabalhadores contratados.

Já o presidente da Associação Brasileira dos Bares e Restaurantes em Alagoas (Abrasel-AL), Brandão Júnior, diz acreditar que os ciclos da Covid-19 estão terminando por causa do avanço da vacinação e pela chamada imunidade de rebanho (uma quantidade grande de pessoas que pegaram a doença).

“Pensamos que, nos próximos meses, não estaremos mais sofrendo com intercorrências provocadas pelo coronavírus. Esta é a esperança da Abrasel, em nível nacional. No nosso dia a dia, a Covid não tem causado grandes transtornos, já que as pessoas continuam utilizando máscaras, mantendo o distanciamento e usando o álcool em gel nos nossos estabelecimentos."

Dados da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) mostram que o primeiro impacto do coronavírus causou uma queda de 58% dos ganhos das agências entre 2019 e 2020 — de R$ 33,9 bilhões para R$ 14 bilhões.

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), as empresas de turismo ganharam fôlego extra no ano passado com o avanço da vacinação. Em 2021, o faturamento chegou a crescer 22,5%, com a demanda forte para o início deste ano.

Mas a nova variante traz de volta a sensação de incerteza, o que deve desacelerar o ímpeto do setor no primeiro trimestre deste ano, dizem entidades de classe.

Uma sondagem feita pela Abav com associados mostrou que um terço das empresas esperam faturamento 60% maior neste ano que no anterior. Outros 27% esperam alta de 50%. Mas o temor é que a Ômicron tenha entrado em cena para mudar os planos e repetir o baque do início da pandemia.