Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > diversão & variedades > TV E CELEBRIDADES

Karol Kiméshi diz que é “cyber sexual” e coleciona sex tapes

Influencer contou que “já pegou famosos” e tem queda por MCs; ela grava todos os momentos íntimos com eles


				
					Karol Kiméshi diz que é “cyber sexual” e coleciona sex tapes
Criadora de conteúdo +18, Karol Kiméshi explicou que não consegue mais fazer sexo se não estiver gravando a transa. Divulgação

Uma das musas das pegadinhas exibidas por João Kléber na RedeTV!, a hot influencer Karol Kiméshi, de 24 anos, contou que é “cyber sexual” e que tem uma valiosa coleção de sex tapes em casa. Ao todo são mais de 800 vídeos com todos os seus momentos íntimos.

Criadora de conteúdo +18, ela explicou que não consegue mais fazer sexo se não estiver gravando a transa e que “fica mais animada” quando está diante das câmeras ou on-line. Por isso o termo cyber sexual. É quando a pessoa não tem mais desejo, a menos que esteja diante da câmera ou faça sexo virtual, ainda que o vídeo íntimo fique no sigilo ou arquivado.

Leia também

Cobiçada por conta do trabalho na TV, ela revelou ainda que tem até gravações com famosos. “Tenho mais tesão quando sei que estou sendo gravada, é como se tivesse alguém me olhando. Gosto da sensação… Tenho uma coleção que deixaria muita gente com inveja. Já gravei até com cantor e jogador famoso. Também adoro funkeiros e MCs. Tem um, inclusive que estava no BBB que tem uma coleção completa comigo”, avisa.

A musa +18 contou que já tinha o costume de gravar suas intimidades mesmo antes de entrar para o OnlyFans e Privacy, as plataformas de conteúdo adulto. Segundo ela, o fetiche acabou se tornando algo obrigatório com o tempo.

“Sempre fui exibicionista, mas me soltei e me libertei depois de me gravar. Fico com muito mais vontade, é um tesão inexplicável. São dois prazeres, na transa e na hora de rever. Já é um ritual, só faço sexo se for gravado”, reforça. “Ou on-line, gravando tudo. Me descobri cyber sexual e tenho muitas amigas vivendo assim também”.

Apesar de investir muito dinheiro em suas produções, Karol admitiu que o clima “amador” de alguns de seus vídeos acabou agradando principalmente seus assinantes mais antigos. Com isso, ela fatura uma média de R$ 50 mil por mês mostrando seu dia a dia de forma ousada e explícita.

“Muitos assinantes têm fetiche por essas gravações, principalmente pelas que faço de surpresa, que não são planejadas. Já é natural para mim, faz parte do meu ritual de sexo. Tenho fixação por me gravar, e eles adoram ver o que eu gravei”.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X