Sinteal contabiliza 40 profissionais da educação que morreram de Covid-19 em Alagoas

Oito municípios alagoanos adotaram o ensino híbrido e retornaram parcialmente às atividades presenciais

Pelo menos 40 profissionais da educação alagoana já foram vítimas da Covid-19 desde o início da pandemia no estado, é o que aponta um levantamento preliminar feito pelo Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal). No último domingo (11), o sindicato fez publicação homenageando as vítimas com o pedido de retorno presencial das aulas apenas após a vacinação.

Segundo informações da União dos Dirigentes Municipais de Alagoas (Undime/AL), oito municípios alagoanos já retornaram parcialmente às atividades presenciais através de um sistema híbrido. Em um comunicado publicado na última sexta-feira (9), a professora e presidente do Sinteal, Maria Consuelo, disse enxergar a decisão dos gestores com indignação.

"Diante do trágico e alarmante quadro de pandemia em que vivemos no Brasil e em Alagoas, nos causa muita indignação a postura de prefeituras que vêm pressionando trabalhadores e trabalhadoras das escolas municiais para o trabalho presencial. Trata-se de uma postura irresponsável", afirmou.

Ainda segundo Consuelo, até o momento, não é possível chegar a um número exato de professores e professoras que morreram em decorrência da Covid-19. Um levantamento está sendo feito pelo Sinteal.