Érika Nery especialista em fertilidade fala sobre o Março Amarelo - mês da conscientização da endometriose

Calcula-se que, em todo o mundo, 176 milhões de mulheres sofrem com a doença

Érika Nery acupunturista especialista em endometriose explica como medicina chinesa e a acupuntura podem auxiliar as portadoras da doença, fazendo uma serie de Lives durante todo mês de março para explicar e tirar dúvidas sobre a Endometriose.

Março é o mês mundial da conscientização da endometriose e calcula-se que, em todo o mundo, 176 milhões de mulheres sofram com a doença.

Érika explica que há uma média de 7 a 10 anos para este diagnóstico ser fechado e cerca de seis milhões de mulheres no Brasil passam por este processo demorado com anos de dores incapacitantes, cólica menstrual muito forte e dor lombar irradiada para as pernas e também a tão temida infertilidade.

Ela desabafa contando que também vivenciou esse processo e que levou 11 anos para ser diagnosticada com a doença.

Segundo ela, a maioria das mulheres acreditam que as terríveis cólicas que sentem no período menstrual são normais.

Por isso o março amarelo é muito importante para que profissionais de saúde conscientizem a população sobre a doença e a importância de estarem sendo acompanhadas por um especialista.

Segundo Érika Nery, todos anos, durante todo o mês de março a mesma traz informações em suas redes sociais sobre a endometriose.

O diagnóstico precoce e as mudanças no estilo de vida são fatores determinantes para reduzir os índices da doença, comenta a especialista.

O que é a endometriose?

É uma doença multifatorial que se caracteriza pela presença do endométrio em locais fora do útero, como ovários, intestinos, bexiga, umbigo etc.

A cada 10 mulheres no Brasil em idade reprodutiva 1 é portadora da doença.

As queixas mais comuns são a dismenorréia (cólica menstrual),dor pélvica crônica, menstruações irregulares, dor na ovulação, dor na relação sexual, fadiga, infecções urinárias por repetição e a desgastante infertilidade feminina.

Como uma solução a especialista defende a importância das técnicas propostas pela Medicina Chinesa que explicam detalhadamente como reduzir a dor e até mesmo em alguns casos os focos da doença.

A técnica mais conhecida da medicina chinesa é acupuntura que tem ação extremamente efetiva no alívio dos sintomas das portadoras e muitas vezes até na redução dos focos, visto que os pontos de acupuntura selecionados após uma boa avaliação possuem ação de reduzir substâncias inflamatórias como citocinas e prostaglandinas, assim como equilibrar os níveis de estradiol permitindo assim alívio das dores pélvicas, dor na relação e controle dos focos, comenta Érika Nery.

Segundo a mesma, a doença pode ser assintomática e neste caso contribuir significativamente para a infertilidade.

Érika propõe três pontos importantes para as mulheres prestarem mais atenção;

1 - Cólica menstrual

2- Intestino solto antes de menstruar

3- Escape de sangue 3 a 5 dias antes de menstruar ( famosa borrinha marrom)

Caso percebam que estes sintomas estão presentes com frequência, a especialista sugere passar por um médico especialista na doença e seguir as 6 orientações abaixo sugeridas pela medicina chinesa que irão ajudar muito a aliviar estes sintomas e também reduzir as falhas implantacionais ( ajudar na tentativa de engravidar).

1 - Reconhecer as fases do seu ciclo, aprender a respeitar cada uma delas e durante o período menstrual utilizar chás como camomila e canela pois irão equilibrar o seu útero, reduzir suas cólicas e fazer uma limpeza física e emocional.

2 - Fazer acupuntura, como dito esta técnica tem ação anti-inflamatória e analgésica. Quando aplicada por um bom profissional irá auxiliar você no alívio da dor e na redução dos focos. Também é extremamente eficaz na falha implantacional;

3 - Optar pelo consumo de alimentos que harmonizam o meridiano do fígado. Cito aqui as frutas e verduras verdes escuras, açafrão, gengibre, alho e canela( todas em pequenas quantidades).

4 - Equilibrar o emocional, busque ajuda de um terapeuta para ajudar você a olhar para suas emoções,ser menos controladora, a deixar o processo mais leve, a realmente entender o processo.

Sozinha é muito mais difícil.

5- Caso você seja uma portadora assintomática, que apresente os pés e abdômen frio, cólica leve e dor lombar, vale a pena introduzir na sua rotina na fase pós-ovulatoria o chá de erva doce ou chá de abacaxi com gengibre e retirar leite e derivados e os alimentos crus e frios.

6- sempre que possível inclua exercícios aeróbicos na sua rotina, pois são capazes de mover a energia parando no útero, eliminando dores físicas e emocionais.

Érika Nery, convida a participar durante todo o mês de março de 4 lives com temas muito importantes nessa caminhada;

Live 1- Entenda como a medicina chinesa/acupuntura podem auxiliar na redução dos sintomas da doença.

Live 2- Como auxiliar as portadoras de endometriose que sofrem com a infertilidade

Live 3- Adenomiose- como a medicina chinesa/ acupuntura pode ajudar!

Live 4- 5 mudanças de hábitos que auxiliam na qualidade de vida das portadoras de endometriose/adenomiose

Desejamos a todas as mulheres muita força nessa caminhada e agradecemos a especialista em Fertilidade, Dra Érika Nery pela contribuição valiosa.