Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > CIÊNCIA E SAÚDE

Rinite ou alergia? Médica explica como diferenciar sintomas

Especialista esclarece que cada pessoa pode reagir a alergia a ácaros de uma maneira diferente


				
					Rinite ou alergia? Médica explica como diferenciar sintomas
Sintomas de alergia a ácaros nem sempre se manifestam apenas no nariz. Alto Astral / Reprodução

Quem sofre frequentemente com crises de rinite sabe bem os problemas que a poeira pode causar às vias respiratórias. No entanto, os sintomas de alergia a ácaros nem sempre se manifestam apenas no nariz.

A médica alergista Raissa Pimentel e imunologista do Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE-SP), explica que a rinite alérgica é a forma mais comum de manifestação dos sintomas. É comum o paciente apresentar espirro, coriza, congestão nasal e coceira no nariz, porém, a alergia a ácaros pode causar ainda outros tipos de distúrbios no organismo.

Leia também

Manifestações da alergia a ácaros

“Pode vir também como uma arma alérgica, pois essa exposição aos ácaros vai desencadear os sintomas da asma, que são aqueles sibilos conhecidos como chiado no peito, falta de ar, crise de tosse seca e, às vezes, pode até dar um aperto no peito”, aponta a especialista.

Além disso, pacientes que já têm dermatite atópica podem apresentar um agravamento desse quadro, piorando as lesões de pele, da coceira e do prurido.

“Por último, pode ser a conjuntivite alérgica, pois a alergia ao ácaro pode vir só com sintomas oculares, que são lacrimejamento e coceira no olho”, acrescenta a médica.

A especialista esclarece que cada pessoa pode reagir à alergia a ácaros de uma maneira diferente. Por isso, é importante avaliar a intensidade e até a combinação dessas comorbidades.

Como diferenciar as condições

Alergia não dá febre. Portanto, este é um caminho para diferenciar as crises alérgicas de problemas como gripes ou resfriados. “No caso de resfriado e gripe, o paciente vai apresentar sintomas de dor no corpo, um mal-estar generalizado, febre, coisas que alergia não causa”, aponta Raissa.

Já no caso da dermatite atópica, é preciso fazer diagnóstico diferencial com uma dermatite de contato, porque às vezes elas podem ter lesões parecidas.

No caso da conjuntivite, é preciso comparar o quadro com a conjuntivite infecciosa, que causa vermelhidão e lacrimejamento – que também podem ocorrer nas conjuntivites alérgicas, bacterianas e virais.

“Geralmente na conjuntivite infecciosa vai ocorrer uma secreção ocular, uma secreção amarelada ou às vezes esverdeada, mais espessa. No caso da conjuntivite alérgica é mais lacrimejamento, é lágrima mesmo, o olho fica lacrimejando muito. Na infecciosa já fica uma secreção mais espessa, esverdeada, amarelada”, explica.

Para fazer o diagnóstico da alergia a ácaros, o ideal é passar por uma consulta com um alergista, para fazer os testes específicos, tanto o “prick test”, que são os testes cutâneos. Além das IgE específicas, que são exames de sangue que identificam se esse paciente tem ou não sensibilidade ao ácaro.

Leia a matéria completa em Metrópoles.com

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X