Tarifa Social de Energia Elétrica deve dobrar e chegar a 24 milhões de famílias

O número de cadastros automáticos, contudo, pode ser menor, de acordo com a Aneel, em razão de dados preenchidos de forma incorreta

O número de beneficiários da Tarifa Social de Energia Elétrica deve dobrar no ano que vem e acolher quase 24 milhões de famílias, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta quarta-feira (13/10).

O programa que dá desconto na conta de luz de famílias de baixa renda beneficia 12,3 milhões de lares, mas há outras 11,5 milhões de famílias que se enquadram nos critérios e que podem ser incluídas a partir de 2022.

Desse total:

  • 7,4 milhões de famílias são oriundas do Cadastro Único (CadÚnico) do governo federal
  • 4,1 milhões são beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada (BPC)

Atualmente, o programa custa cerca de R$ 3,6 bilhões. O valor é pago pelos consumidores de energia elétrica por meio de repasses na cobrança da conta de luz. Com o aumento dos subsidiários, o custo deve subir. Esse montante ainda não foi informado pela agência.

O número de cadastros automáticos, contudo, pode ser menor, de acordo com a Aneel, em razão de dados preenchidos de forma incorreta ou duplicidade de cadastro (mesmo CPF).

O desconto da Tarifa Social varia de 10% a 65%, até o limite de consumo de 220 quilowatts-hora (kWh) por mês. Famílias indígenas ou quilombolas têm desconto de 100% até o limite de consumo de 50 kWh/mês.