SP: hospital usa pele de tilápia para tratar crianças com dedos colados

Em procedimento inédito, crianças com a síndrome de Apert fazem tratamento em hospital de Campinas para separar os dedos

Em procedimento inédito, o Hospital Sobrapar, em Campinas, usou pele de tilápia para tratar e crianças que nasceram com os dedos colados. O tratamento, que ainda está em fase de estudos, já foi realizado no pós-operatório de cinco cirurgias.

De acordo com o estudo, feito em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC), a escama do peixe auxilia na recuperação, devido à alta concentração de colágeno, que estimula uma melhor cicatrização.

Segundo o cirurgião plástico e vice-presidente do Sobrapar, Cássio Raposo, a pele do peixe diminui a necessidade das famílias permanecerem em Campinas. O procedimento substitui curativos convencionais e reduz o desconforto do paciente.

“Ela (…) diminui o número de curativos, que normalmente a gente troca todos os dias, e diminui a dor dessas crianças”, disse à EPTV, afiliada da Rede Globo.

Além disso, a nova técnica tem uma vantagem: o material é facilmente encontrado por todo o país.

“Ele é o segundo maior peixe em cativeiro do mundo. Depois, a pele é um produto de descarte. Vão para o lixo 99% e 1% é usado em artesanato. Ele tem um ciclo produtivo muito rápido, em torno de seis meses”, explica o cirurgião plástico Edmar Maciel, pesquisador da UFC.

A pesquisa ainda levará seis meses para ser concluída, mas já conta com cinco cirurgias realizadas com sucesso. O hospital atua nas áreas de cirurgias plástica reconstrutiva e crânio-maxilo-facial, além de atender pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e também pacientes em situação de vulnerabilidade socioeconômica de outros países.