Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Representantes do varejo pedem isonomia fiscal para produtos nacionais

Representantes do varejo apoiam PL 914/24, que prevê igualdade entre taxação de produtos brasileiros e importados


				
					Representantes do varejo pedem isonomia fiscal para produtos nacionais
A decisão é consequência do Programa Remessa Conforme, que isentou do imposto federal de importação as compras de até US$ 50. Felipe Soares/ Divulgação

Um grupo de empresários, representantes do setor varejista brasileiro, se reuniu na manhã desta terça-feira (14/5) em apoio ao projeto de lei (PL) 914/24, cujo relator é o deputado Atila Lira (PP-PI). O texto cria o Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover) e pede a isonomia tributária entre a taxação sobre produtos brasileiros e os importados.

De acordo com as entidades representativas, a indústria nacional suporta uma carga tributária de 90%, enquanto as plataformas de e-commerce internacionais, desde agosto passado, têm responsabilidade de recolher apenas 17% de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS).

Leia também

A decisão é consequência do Programa Remessa Conforme, que isentou do imposto federal de importação as compras de até US$ 50 (cerca de R$250, na cotação atual) realizadas por meio de plataformas internacionais. “Nós queremos competir com igualdade de condições, não queremos nenhum privilégio. O que estamos vivendo é um absurdo”, afirmou Flávio Rocha, vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

De acordo com Sérgio Zimerman, CEO da rede brasileira de loja de animais de estimação Petz, o cross border, ou comércio transfronteiriço, é tendência mundial. Entretanto, apenas no Brasil parece não haver preocupação com a perda de espaço do comércio nacional.

“No mundo, hoje, se discute muito sobre esse tema de cross border. Só que ninguém está discutindo isonomia, porque é uma coisa dada. Isonomia é uma coisa clara para qualquer país coerente no meio”, afirmou Zimerman.

O que muitos países estão pedindo é uma barreira de proteção, uma proteção à indústria para que possa sobreviver a essa competição do cross border. Aqui nós estamos no estágio, mais uma vez, absurdo, de ter que pedir para que a gente seja tratado em condições de igualdade”, concluiu.

Frente Parlamentar

“É um problema político. Não podemos deixar de reconhecer que vai haver uma guerra política. Porém, se o governo quer se desgastar politicamente, o Congresso faria isso”, afirmou o deputado federal Joaquim Passarinho (PL-PA), presidente da Frente Parlamentar de Empreendedorismo (FPE), durante a reunião.

“Não somos contra o Programa Remessa Conforme, só estamos pedindo regras iguais”, afirmou o parlamentar. Passarinho ainda declarou apoio absoluto ao relator do PL, Átila Lira.

Para Lira, o PL, ao buscar isonomia tributária, representa a proteção da indústria nacional. “Há a questão da justiça social, que é o desemprego. Temos sonegação, falta de arrecadação, fechamento de empresas”, afirmou. “Quem compra [em e-commerce internacionais] perde a noção de que aquilo prejudica toda uma cadeia produtiva no país. Esse é um projeto em que a gente protege a indústria nacional. Esta missão me foi dada e vou até o fim”, concluiu o deputado.

“Acredito que, mesmo se a gente não tiver o entendimento de todas as bancadas, teremos a votação necessária para aprovar [o PL]”, finalizou Átila Lira.

Leia a matéria completa emMetrópoles.com

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas